foto de Jorge Da Silva

Jorge Da Silva é cientista político. Doutor em Ciências Sociais pela UERJ e professor-adjunto / pesquisador-visitante da mesma universidade. Professor conteudista do Curso EAD de Tecnólogo em Segurança Pública (UFF - CEDERJ / CECIERJ). Criado no hoje chamado Complexo do Alemão, no Rio, serviu antes à PM, corporação em que exerceu o cargo de chefe do Estado-Maior Geral. Foi também secretário de Estado de Direitos Humanos/RJ. É vice-presidente da LEAP Brasil ('Law Enforcement Against Prohibition Brazil' (Agentes da Lei Contra a Proibição)).

Ver perfil

Os conteúdos dos textos deste Blog podem ser usados livremente. Pedimos, no caso, que sejam consignados os devidos créditos, com a citação do autor e da fonte.

 



 

 

ALTA CORRUPÇÃO E A TEORIA DAS “MAÇÃS PODRES” (III)

2 Comentários, deixe o seu

.

COM A MÃO NA MASSA EM BRASÍLIA

Este é o terceiro “post” que publico sobre a corrupção dos poderosos, com foco em fatos escabrosos acontecidos em Brasília. Neste, só quero chamar a atenção para um ponto, que tem a ver com a forma como os poderosos acusados de corrupção reagem em diferentes sociedades. Temos três tipos de reação: Em certos países, o poderoso flagrado em ato de corrupção se mata, com vergonha dos amigos, da família e da sociedade. Em outros, é considerado traidor do povo e da Nação, e é fuzilado. No Brasil, o poderoso pego com a mão na massa não se envergonha nem é considerado traidor do povo, e sim “maçã podre”, com o que todos os demais pares poderosos se salvam. Íntegros até um novo escândalo. Então, o acusado mostra-se, ele sim, indignado com a acusação, desafiando quem quer que seja a provar o provado. O corrupto é que fica indignado. Pergunto: por que é assim no Brasil?

Obs. Ver os outros dois “posts” sobre o tema. É só clicar: http://www.jorgedasilva.blog.br/?p=85 e http://www.jorgedasilva.blog.br/?p=79

2 Comentários, deixe o seu   |    Imprimir este post Imprimir este post    |   


2 comenários to “ALTA CORRUPÇÃO E A TEORIA DAS “MAÇÃS PODRES” (III)”

  1. paulo fontes disse:

    Caro Professor Jorge da Silva,
    A questão da corrupção é assim nas terras tupiniquins porque a nossa sociedade não é a japonesa e nem a chinesa.
    Por aqui a vergonha na cara está totalmente desmoralizada e a banalização está banalizada.
    O poder Judiciário sofrer de “paralisia de paradigmas”, reage as mudanças,é leniente e custa caro.
    O poder executivo é o dono do cofre e usa muito bem esse poder para o bem ou para o mal.
    O poder legislativo,desmoralizado, não legisla,limitando-se a aprovar e referendar o que lhe é imposto garganta abaixo pelo executivo.
    Saudações
    Paulo Fontes

  2. Paulo Roberto disse:

    Professor, o Brasil é menos uma nação do que uma “ação entre amigos”. Um empreendimento privado de um grupo restrito que – mesmo que tenha se ampliado ao longo do tempo – entranhou na mentalidade brasileira a cultura da desigualdade que estabelece privilégios mais ou menos legais para uns poucos, e a lei do cão para outros muitos. Os “poderosos” não se envergonham da corrupção por que, para eles, o que é “público” não é de ninguém. Está posto para ser predado, tosquiado, parasitado, pelos mais capazes, pelos mais fortes. E dane-se quem não pode fazer o mesmo. Afinal, como disse nosso Presidente, algumas pessoas não podem ser tratadas como “pessoas comuns”. Tenho a impressão que o espaço público no Brasil, o espaço da política, é a expressão mais pura e acabada do caos pré-Leviatã descrito por Hobbes…

    Forte Abraço, Paulo Roberto

Envie o comentário


0/Limite de 1800 caracteres

Add video comment