foto de Jorge Da Silva

Jorge Da Silva é cientista político. Doutor em Ciências Sociais pela UERJ e professor-adjunto / pesquisador-visitante da mesma universidade. Professor conteudista do Curso EAD de Tecnólogo em Segurança Pública (UFF - CEDERJ / CECIERJ). Criado no hoje chamado Complexo do Alemão, no Rio, serviu antes à PM, corporação em que exerceu o cargo de chefe do Estado-Maior Geral. Foi também secretário de Estado de Direitos Humanos/RJ. É vice-presidente da LEAP Brasil ('Law Enforcement Against Prohibition Brazil' (Agentes da Lei Contra a Proibição)).

Ver perfil

Os conteúdos dos textos deste Blog podem ser usados livremente. Pedimos, no caso, que sejam consignados os devidos créditos, com a citação do autor e da fonte.

 



 

 

ALTA CORRUPÇÃO E A TEORIA DAS “MAÇÃS PODRES” II

3 Comentários, deixe o seu

No “post” anterior evitei falar nas “irregularidades” do Senado, embora as tivesse em mente. Afirmei ali que várias são as teorias que procuram explicar o fenômeno da corrupção, desde as tradicionais, de cunho moralista, segundo as quais a corrupção seria sempre abordada como mero desvio individual de caráter (teoria moralista-individualista, ou das “maçãs podres”), até aquelas que partem da premissa de que os níveis de corrupção numa instituição ou sociedade variam na razão direta do nível ético da instituição ou sociedade em questão (corrupção sistêmico-institucional). Uma das estratégias utilizadas por pessoas envolvidas em esquemas corruptos para desviar a atenção desses esquemas é escolher alguém para bode expiatório, ou, como se diz no interior, para boi de piranha. Com isso, enquanto as piranhas devoram o indigitado boi, a boiada atravessa o rio sem ser percebida pelas piranhas, e segue em frente, conduzida pelo diligente boiadeiro. Qualquer semelhança é mera coincidência.      

   

3 Comentários, deixe o seu   |    Imprimir este post Imprimir este post    |   


3 comenários to “ALTA CORRUPÇÃO E A TEORIA DAS “MAÇÃS PODRES” II”

  1. Caro Sr. Melquiades,
    Obrigado por interagir com o meu blog. Compartilho da sua indignação. Quero postar a sua mensagem, mas, como assumi o compromisso de evitar acusações pessoais e palavras ofensivas, pergunto se o Sr. não poderia reenviar o comentário de forma um pouco mais genérica.
    Abraço,
    Jorge da Silva

  2. melquiades assad abraão disse:

    Sou Médico, formado em 1975, pela Universidade de São Paulo. (Fiz residência em Cirurgia Geral na Escola Paulista de Medicina), onde acabei me especializando em Urologia Pediátrica. Fiz Mestrado e Doutorado na França (Hôpitaux de Paris e atualmente estou concluindo o Pós-Doutorado aqui nos USA; Universidade Wake Forest, na Carolina do Norte. Trabalhei no Hospital Getúlio Vargas no Rio de Janeiro e como voluntário dos Médicos Sem Fronteiras.
    Minha tarefa é de salvar VIDAS! A do senhor com todo respeito de estudar (homem / pessoa).
    Cada um na sua praia, cada um na sua onda, claro!
    Entretanto Coronel, minhas citações não foram difamatórias.
    Trata-se de escândalo de domínio público.
    Dinheiro na cueca, nepotismo, um ex- chefe de polícia preso por formação de quadrilha e tantas outras mazelas.
    De quem é a culpa?
    Claro que temos coronel à pior casta de políticos do mundo.
    Isso é inegável.
    Não precisa postar só refletir o que um médico de 57 anos escreveu em seu blog.

  3. Caro Dr Melquiades,

    Uma vez mais, obrigado pela interlocução.
    É possível que eu tenha passado a impressão de que defendo o senador Sarney ou que minimize o seu mau comportamento. Muito pelo contrário, o que eu quis dizer é que estamos diante de um sistema viciado, e que é preciso concentrar o foco no sistema (sem perder de vista, claro, os que, individualmente, praticam atos que nos envergonham como brasileiros). O Senhor mesmo fez um elenco de fatos escabrosos, protagonizados por políticos. Logo, não são fatos pontuais; refletem muito mais um sistema viciado, contra o qual também me insurjo. Se o Senhor me fizer a gentileza de reler o “post” e ler o “post I”, de mesmo título, certamente verá (é minha avaliação) que estamos do mesmo lado.
    O Brasil precisa de pessoas indignadas e com disposição de lutar, como o Senhor e eu lutamos, por uma sociedade menos corrupta, e que valorize que verdadeiramente trabalha, em especial o pessoal da saúde, da educação e da segurança.
    O blog continua à sua disposição.

Envie o comentário


0/Limite de 1800 caracteres

Add video comment