foto de Jorge Da Silva

Jorge Da Silva é cientista político. Doutor em Ciências Sociais pela UERJ e professor-adjunto / pesquisador-visitante da mesma universidade. Professor conteudista do Curso EAD de Tecnólogo em Segurança Pública (UFF - CEDERJ / CECIERJ). Criado no hoje chamado Complexo do Alemão, no Rio, serviu antes à PM, corporação em que exerceu o cargo de chefe do Estado-Maior Geral. Foi também secretário de Estado de Direitos Humanos/RJ. É vice-presidente da LEAP Brasil ('Law Enforcement Against Prohibition Brazil' (Agentes da Lei Contra a Proibição)).

Ver perfil

Os conteúdos dos textos deste Blog podem ser usados livremente. Pedimos, no caso, que sejam consignados os devidos créditos, com a citação do autor e da fonte.

 



 

 

PRETO NO BRANCO

5 Comentários, deixe o seu

.

Na “democracia racial” brasileira, sempre tivemos muitos escurinhos querendo se passar por branquinhos. E agora, tem muitos branquinhos querendo se passar por escurinhos. Vai entender.

Fato. Nota no Ancelmo (Globo.com, 08/09/16): “Itamarati elimina de concurso para diplomata 47 brancos que se passavam por negros”.

 

5 Comentários, deixe o seu   |    Imprimir este post Imprimir este post    |   


5 comenários to “PRETO NO BRANCO”

  1. Emir Larangeira disse:

    Caro mestre e compadre, o que seria um branco e o que seria um negro com ambos postos num continuum? A indagação é séria, não é gozação. É que se trata de conceito mui complexo. Daí a dúvida quando não se trata de extremos da linha, claro.

  2. jorge disse:

    Caro amigo, compadre e irmão, será que um dia as pessoas vão entender que o que importa mesmo é o que o ser humano traz dentro de si, o caráter, independentemente dessas baboseiras?
    Lamentável.

  3. José Medina disse:

    O crime não tem cor! Como também o pecado.

  4. Adilson da Costa Azevedo disse:

    Caro Jorge,

    Você tem razão. Os valores intrínsecos é que são importantes. No entanto, a notícia do Ancelmo trata-se de cotas para negros em concurso público. Trata-se de critério objetivo que é preenchido com critério subjetivo que é a autodeclaração. Quais as referencias usadas pela banca de que os candidatos não eram negros ? Seja quais forem eles usaram elementos extrínsecos. Assim, parece que o sistema de autodeclaração é insuficiente. Não seria mais lógico que permanecesse a autodeclaração, porém com as referencias usadas pela banca para verificar se o candidato faz jus a cota constando do edital do concurso? Afinal de contas, o edital faz lei entre as partes. Se não existe critério objetivo bastando a autodeclaração, em tese, todos os candidatos eliminados poderão recorrer a justiça.

  5. jorge disse:

    Não entro no mérito. Só acho engraçado…

Envie o comentário


0/Limite de 1800 caracteres

Add video comment