foto de Jorge Da Silva

Jorge Da Silva é cientista político. Doutor em Ciências Sociais pela UERJ e professor-adjunto / pesquisador-visitante da mesma universidade. Professor conteudista do Curso EAD de Tecnólogo em Segurança Pública (UFF - CEDERJ / CECIERJ). Criado no hoje chamado Complexo do Alemão, no Rio, serviu antes à PM, corporação em que exerceu o cargo de chefe do Estado-Maior Geral. Foi também secretário de Estado de Direitos Humanos/RJ. É vice-presidente da LEAP Brasil ('Law Enforcement Against Prohibition Brazil' (Agentes da Lei Contra a Proibição)).

Ver perfil

Os conteúdos dos textos deste Blog podem ser usados livremente. Pedimos, no caso, que sejam consignados os devidos créditos, com a citação do autor e da fonte.

 



 

 

DROGAS. MEIA VOLTA, VOLVER!

Deixe seu comentário

.

Lê-se em chamada de primeira página do Globo (7/6/16): “Ministro tenta endurecer política de drogas.” Trata-se do ministro do Desenvolvimento Social, Osmar Terra, para quem, segundo o jornal (p.24), “a legalização de drogas ilícitas, inclusive a maconha, levará a um consumo maior, que, por sua vez, aumentará o número de pessoas doentes, e também a pobreza no país”.  E ainda, taxativo: “Tem que ter algum tipo de punição, senão ele (o usuário) vai consumir mais. […] O Brasil nunca fez uma guerra às drogas de forma séria, com controle das fronteiras, leis mais duras para o tráfico e campanhas educativas”.

Médico e ex-secretário de Saúde (RS), é compreensível a sua preocupação com os usuários. Mas não se compreende o seu posicionamento ‘repressivista’ para conter o consumo. Nem a sua racionalização alarmista: a legalização levaria, no limite, ao aumento da pobreza no país. Como assim? A utilização do termo legalização, sem associação a controle governamental, pode passar a ideia do dito popular “liberou geral”, o que não é o caso. Importante frisar, a propósito, que a sua posição reverbera crenças de senso comum, na base do “mais do mesmo”, crenças que não se realizaram em qualquer lugar do mundo. Ora, o modelo ao qual o ministro se alinha está em prática há décadas, com o consumo, o tráfico e a matança da “guerra às drogas” (matança da periferia, claro…) sempre aumentando. Pergunto: Por que a racionalização da proibição e da “guerra” não se aplica à droga psicoativa que mais mata e desestrutura indivíduos e famílias no mundo, como um dia os norte-americanos imaginaram ser possível?

Sugiro aos interessados no tema a leitura do artigo do professor Julian Buchanan, “Dezesseis Grupos que se Beneficiam da Proibição”.

 

Deixe seu comentário   |    Imprimir este post Imprimir este post    |   


Envie o comentário


0/Limite de 1800 caracteres

Add video comment