- Jorge Da Silva - http://www.jorgedasilva.blog.br -

O ATROPELAMENTO NO TÚNEL. “TAL FILHO, TAL PAI” COM OS PMs (II)

.

(Republico postagem de 25 de janeiro de 2015. Embora meu ponto não fosse a prisão em si, imaginei, ingenuamente, que pai e filho seriam condenados a prisão por seus crimes. Após recursos, acabam de ser condenados a três anos de serviços comunitários. Vejam o que fizeram)

Deu no Globo deste sábado, 24/01/2015: “Atropelador e pai são condenados” / Rafael Bussamra e seu pai foram condenados a 12 e 8 anos de prisão pela morte do filho de Cissa Guimarães. A maior parte da pena é por corrupção.

Trata-se do caso em que o jovem Rafael Bussamra, ao participar em 2010 de “pega” no Túnel Acústico, Gávea (que estava interditado), atropelou e matou o também jovem Rafael Mascarenhas, que ali praticava skate. Em vez de socorrer a vítima, procurou safar-se. Ele e o pai, empresário Roberto Bussamra, em conluio com os dois PMs que interceptaram o atropelador em fuga, tramaram abafar o caso. Acertaram o valor da propina: R$ 10 mil, que seriam pagos pelo pai para livrar o filho de qualquer responsabilidade. Bussamra pai adiantou R$ 1 mil e faria a entrega do restante após uma retirada no banco. Voltou atrás, segundo a mídia, ao receber telefonema da mulher informando que o jovem atropelado e morto era filho da atriz Cissa Guimarães. Condenados agora, pai e filho foram encaminhados ao presídio, em Bangu. Cabe recurso. Os PMs foram expulsos já em 2010, e condenados em 2012 a cinco anos de prisão.

Tendo despertado muita polêmica, o episódio comporta análises sob diferentes aspectos. Dois deles, cruciais, não têm merecido maior atenção. O primeiro, de natureza cultural, poderia ser abordado a partir de duas perguntas: o que estaria por trás da certeza da mãe e do pai do atropelador de que não adiantava ir adiante com a trama depois que souberam quem era a mãe da vítima? E por trás do fato de uma família inteira (pai, mãe e filhos), constituída por pessoas instruídas e de alto padrão econômico-social, resolver acobertar um adulto, que acabara de cometer um crime, como se ele fosse uma criança que tivesse praticado uma arte? O segundo aspecto tem a ver com a corrupção policial. Tendo em vista que o crime de corrupção, mais que o do atropelamento com morte, foi o que mais pesou na condenação de pai e filho, pergunte-se: o que, antes dos fatos, os Bussamra pensavam da corrupção policial, e o que achavam que deveria ser feito para combatê-la? Quantos iguais aos Bussamra há por aí?

Bem, aos poucos a sociedade brasileira vai deixando à mostra as suas vísceras.

Obs. – Inverti o adágio popular no título de propósito (“Tal filho, tal pai”). Indago-me sobre qual seria a atitude do pai do pai de Rafael Bussamra…

janeiro 25th, 2015