- Jorge Da Silva - http://www.jorgedasilva.blog.br -

LAVA-JATO E CARADURISMO POLÍTICO

.

Ao vivo e em cores, os brasileiros têm visto (Lava-Jato, fases de 1 a 18), como viram anteriormente (Mensalão, Mensalinho, Correios etc.), a colossal roubalheira envolvendo dezenas de políticos, empresários e outras pessoas importantes. Tal roubalheira, portanto, não é episódica ou isolada, como se decorresse de desvios individuais de caráter. Ao contrário, é crônica, institucional, sistêmica e funcional (Nota. A ‘teoria funcional’ tenta explicar a corrupção como algo ‘natural’, inerente ao processo produtivo e comercial…).

A montagem desses sistemas corruptos, portanto, parte necessariamente de um conluio (associação espúria entre pessoas e ou grupos em benefício próprio, mas em prejuízo de terceiros, sejam os terceiros indivíduos, instituições ou o próprio Estado).

Se a PF, o MPF e o STF não estiverem equivocados em relação aos políticos e empresários já condenados; e se, entre os atuais denunciados ou investigados, não se equivocarem condenando inocentes, estaremos diante de acabado exemplo de corrupção institucional, sistêmica, funcional, sendo importante sublinhar que esses conluios criminosos entre empresas e políticos ocorrem também nos níveis estadual e municipal, como é sabido. Em suma: é questão cultural, nacional…

Daí, é sintomática a obstinação com que alguns políticos, inclusive denunciados ou investigados como beneficiários de propinas, insistem na continuidade das doações de empresas. Pior, alegando que se trata de interesse da sociedade, quando se sabe que 79% dos brasileiros, como revelou pesquisa Data Folha (Cf. oglobo.com, 06/07/2015), são contra o financiamento de empresas.

Mais óbvio do que isso, impossível.

Bem, e os empresários, são contra ou a favor?…