foto de Jorge Da Silva

Jorge Da Silva é cientista político. Doutor em Ciências Sociais pela UERJ e professor-adjunto / pesquisador-visitante da mesma universidade. Professor conteudista do Curso EAD de Tecnólogo em Segurança Pública (UFF - CEDERJ / CECIERJ). Criado no hoje chamado Complexo do Alemão, no Rio, serviu antes à PM, corporação em que exerceu o cargo de chefe do Estado-Maior Geral. Foi também secretário de Estado de Direitos Humanos/RJ. É vice-presidente da LEAP Brasil ('Law Enforcement Against Prohibition Brazil' (Agentes da Lei Contra a Proibição)).

Ver perfil

Os conteúdos dos textos deste Blog podem ser usados livremente. Pedimos, no caso, que sejam consignados os devidos créditos, com a citação do autor e da fonte.

 



 

 

DILMA ESCORREGA NO JÔ

Deixe seu comentário

.

O final da longa entrevista da presidente Dilma no Programa do Jô, no último dia 12/06, fez lembrar o personagem Sandoval Quaresma (Brandão Filho), da Escolinha do Professor Raimundo, que acertava as perguntas difíceis, mas na hora da mais fácil, “para ganhar o dez” prometido pelo professor, escorregava feio. Dilma ia muito bem, aproveitando com objetividade as deixas do Jô. (Torço pela presidente). Nas considerações finais, no entanto, “na hora do dez”, certamente orientada por algum marqueteiro desavisado, desenterrou a carcomida patriotada da “fábula das três raças”, da crítica de Da Matta. E fê-lo em tom apoteótico:

“[…] tem esse povo que é fantástico. Por quê? Porque eu acho que um povo que é formado de negros, de índios e de brancos… – que é uma mistura – pegou das três etnias o que havia de melhor. Você imaginou se a gente não tivesse a alegria que vem com a população… que veio com a população negra, a alegria, a força, a criatividade. Você já imaginou se a gente não tivesse a contribuição da civilização portuguesa ou das outras, da onde nós viemos? E do índio… e do índio, que tem essa relação absolutamente… surpreendente com a natureza! Então eu acho que nós temos tudo para ser um país que faz a diferença. […]”

Então, quer dizer que a etnia negra contribuiu com a alegria, a força e a criatividade; a portuguesa e outras etnias de onde “nós” viemos (nós quem, ela e o Jô?) com a civilização; e o índio com a “surpreendente relação com a natureza”? Simples assim?

Concluo eu: será que a presidente acredita mesmo que só o Brasil foi formado pelas “etnias” negra, branca e índia? E os Estados Unidos? E outros países da América Latina que tiveram escravidão negra e indígena? Cara presidente, índio com “relação surpreendente com a natureza” é meio forte. Surpreendente?…

 

Deixe seu comentário   |    Imprimir este post Imprimir este post    |   


Envie o comentário


0/Limite de 1800 caracteres

Add video comment