foto de Jorge Da Silva

Jorge Da Silva é cientista político. Doutor em Ciências Sociais pela UERJ e professor-adjunto / pesquisador-visitante da mesma universidade. Professor conteudista do Curso EAD de Tecnólogo em Segurança Pública (UFF - CEDERJ / CECIERJ). Criado no hoje chamado Complexo do Alemão, no Rio, serviu antes à PM, corporação em que exerceu o cargo de chefe do Estado-Maior Geral. Foi também secretário de Estado de Direitos Humanos/RJ. É vice-presidente da LEAP Brasil ('Law Enforcement Against Prohibition Brazil' (Agentes da Lei Contra a Proibição)).

Ver perfil

Os conteúdos dos textos deste Blog podem ser usados livremente. Pedimos, no caso, que sejam consignados os devidos créditos, com a citação do autor e da fonte.

 



 

 

CAIXA PRETA SALARIAL III. REMUNERAÇÃO DOS PMs

3 Comentários, deixe o seu

.

Publico abaixo mensagem enviada a mim pelo leitor José dos Santos. Apresenta-se como um soldado PM que pensa em buscar outro caminho, aparentemente em função do fato de não vislumbrar futuro na PM, apesar de cursar o 3º ano de direito da UERJ. Alguém poderá dizer que se ele não está satisfeito, e se pode procurar outro caminho, que o faça. Quem pensa assim, no entanto, descarta a hipótese de que ele possa ter procurado a PM por vocação.
Na tabela que sugere, parece que continuaria na PM se um soldado ganhasse R$ 4.650,00, ou seja, pouco mais de 1/3 do que, a seu ver, deveria ganhar um coronel (R$ 15.550,00). Alguém poderá alegar que não é razoável, em comparação com os trabalhadores brasileiros em geral. Porém é preciso compreender que os policiais, e não só os PMs, fazem parte de um sistema (Sistema de Justiça Criminal), em que, no geral, a maioria dos seus integrantes aufere salários 20 (vinte) vezes maiores do que os auferidos por um Soldado PM, e o triplo do que percebe um coronel PM.
Pergunta-me ele se concordo com a tabela que sugere. Concordo. Mas acho mais importante perguntar: Quanto a sociedade (o Governo é parte da sociedade…) acha que alguém que arrisca a vida para oferecer segurança à população; alguém a quem o Estado entrega uma arma, um distintivo de poder e uma viatura com os símbolos da autoridade estatal deveria ganhar? O que se espera, quando a eles se paga um salário aviltante, como é o caso? A sociedade tem que se decidir.

Bem, aí vai a mensagem do leitor. 

Enviado em 03/11/2009 às 21:31
Coronel Jorge da Silva
O senhor lutaria por este tema?
Quanto deveria ganhar um PM no Rio:

TABELA DE VENCIMENTOS – PMERJ/CBMERJ:
CORONEL —————- R$ 15.500,00
TENENTE-CORONEL —- R$ 14.700,00
MAJOR ——————- R$ 12.800,00
CAPITÃO —————– R$ 10.700.00
1º TENENTE ————— R$ 9.300,00
2º TENENTE ————— R$ 8.700,00
SUBTENENTE ————– R$ 9.000,00
1º SARGENTO ————– R$ 7.900,00
2º SARGENTO ————– R$ 7.000,00
3º SARGENTO ————– R$ 6.200,00
CABO ———————— R$ 5.300,00
SOLDADO ——————- R$ 4.650,00
A Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro merece respeito!
Com esses salários posso afirmar que o BEP vai fechar as portas
Aquele abraço
Soldado raso, 24 anos 3 º Ano da Faculdade de Direito UERJ.
( Mulato) e sem cotas!
Sabe Coronel? Minha mãe está pagando meu Glioche – Vou me mandar ! Antes que eu pare no BEP-
O senhor se ligou não?

Obs. BEP quer dizer Batalhão Especial Prisional, e Glioche é um importante curso que prepara pessoal para as carreiras do Sistema de Justiça Criminal. 

A propósito do tema, recomendo a leitura dos “posts” CAIXA PRETA SALARIAL I e II, e DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA DOS PMs:
http://www.jorgedasilva.blog.br/?p=326
http://www.jorgedasilva.blog.br/?p=349
http://www.jorgedasilva.blog.br/?p=16

3 Comentários, deixe o seu   |    Imprimir este post Imprimir este post    |   


3 comenários to “CAIXA PRETA SALARIAL III. REMUNERAÇÃO DOS PMs”

  1. Paulo Roberto disse:

    Concordo inteiramente com a tabela proposta por José dos Santos. Sem dúvida, algumas carreiras que podem ser definidas como “típicas de Estado” devem ser bem pagas diante do grau de responsabilidade e/ou risco que seu correto desempenho acarreta. Só não posso concordar que o BEP estaria fechado se nossos políciais recebessem o salário que deveriam receber. Não posso concordar por dois motivos: 1º) por que conheço vários policiais que, a despeito do salário aviltante, não se tornam corruptos, nem assassinos, nem “milicianos”; 2º) por que ninguém é mais bem remunerado, por exemplo, que nossos ilustres membros do Poder Legislativo e nem por isso os escândalos de corrupção deixam de estourar a todo momento. Relacionar diretamente baixos salários com condutas criminosas é uma simplificação estigmatizante da pobreza e completamente desmentida pelos fatos do dia-a-dia em nosso país.
    Me parece que a questão principal no que toca a remuneração da Polícia Militar é por que, no segundo estado mais rico da federação, se paga, senão o pior, um dos piores salários do Brasil aos policiais militares. Essa situação é ainda mais intrigrante quando se compara os salários da PM com os salários da Polícia Civil, que, afinal, é tão “polícia” quanto a PM. Será que isso não estaria ligado a destinação que se pensa a cada uma das instituições? Será que não tem haver com o “público” que deve ser atendido pelo PM e o “público” que se relaciona com a Polícia Civil? Acho que a questão salarial da PM dá muito o que pensar…

    Forte Abraço, Paulo Roberto.

  2. Caro Paulo Roberto,
    Concordo plenamente. Salário baixo não pode ser justificativa para a corrupção. Pelo menos não deveria ser. O que também não entendo é que as autoridades, a todo instante, aleguem que não podem pagar salários melhores por falta de recursos. Mas só falam em aumentar os efetivos em 5 mil, 10 mil policiais, e por aí vai. Ué! Vão tirar dinheiro de onde, se dizem que não há dinheiro? É claro: só achatando mais ainda os parcos salários dos que já está dentro. E ainda há quem, nos escalões superiores das nas corporações, só viva falando em aumento de efetivo para melhorar o policiamento. Como pode?

  3. Gisele disse:

    Prezado Prof Jorge da Silva,

    Duvido muito da total veracidade da narrativa do suposto soldado “José dos Santos”.Primeiro que me parece humanamente impossível , hoje em dia, ele ser soldado ( envolve plantões de 24hs , ou outras escalas em diferentes horários , ou horários fixos quase todo dia );ser estudante do 3.o. ano da Uerj , onde se tem em média 9 disciplinas ( boa parte exigindo bom tempo de estudo )e em horário das 7hs às 12 hs ou das 18 as 22:40 hs e ainda fazer curso preparatório estando ainda no 3.o. ano .

    E mais, ainda ter sido aprovado no mais concorrido vestibular do Estado ( sem cotas ) , sendo um soldado , quando se sabe que até mesmo a maioria dos Oficiais ( mais bem preparados em termos de estudos secundários ) não conseguem entrar na Uerj em Direito.Uma vaga pra 18 em média .O nome dado “José dos Santos” parece fictício , inclusive pq consultei na Uerj e não existia nenhum aluno do terceiro em 2009 com tal nome .

    É uma história bem mal contada .Enfim, não sabemos com qual fim quis o suposto soldado discorrer sobre os soldos e ao mesmo tempo traçar um perfil próprio pra lá de inconsistente…

    Espero estar errada…

    Parabéns pelo seu trabalho !

Envie o comentário


0/Limite de 1800 caracteres

Add video comment