foto de Jorge Da Silva

Jorge Da Silva é cientista político. Doutor em Ciências Sociais pela UERJ e professor-adjunto / pesquisador-visitante da mesma universidade. Professor conteudista do Curso EAD de Tecnólogo em Segurança Pública (UFF - CEDERJ / CECIERJ). Criado no hoje chamado Complexo do Alemão, no Rio, serviu antes à PM, corporação em que exerceu o cargo de chefe do Estado-Maior Geral. Foi também secretário de Estado de Direitos Humanos/RJ. É vice-presidente da LEAP Brasil ('Law Enforcement Against Prohibition Brazil' (Agentes da Lei Contra a Proibição)).

Ver perfil

Os conteúdos dos textos deste Blog podem ser usados livremente. Pedimos, no caso, que sejam consignados os devidos créditos, com a citação do autor e da fonte.

 



 

 

UMA NEGRA NA TRIPULAÇÃO

2 Comentários, deixe o seu

. (NOTA PRÉVIA. Post editado e atualizado em 13 out 09 )

Meados da década de 1970. Ao entrar num avião de empresa norte-americana, o negro brasileiro é acometido de um tipo interessante de estranhamento: na tripulação havia negros e negras. Estranhou porque jamais vira alguém de sua cor trabalhando em avião de empresa brasileira. “Natural”. Dali em diante ficou mais atento. Concluiu: No Brasil, por alguma razão, ser tripulante de avião comercial não era coisa para negros/as. Mais intrigado ficou depois de saber que os afro-americanos não passavam de 12% da população, percentual muito inferior aos cerca de 50% dos auto-declarados afro-brasileiros (há patrícios que detestam essa palavra…)

No Brasil eram tempos do discurso-dogma da “democracia racial”, do que muitos apresentavam provas cabais: “A empregada come na mesa com a gente”; “O meu maior amigo é um negro”; “Quem não gosta de uma mulata?”, e por aí afora. Januário Garcia costumava dizer: “Temos o racismo que deu certo”. Preto gozador! Nessa época, os negros (até então admitia-se que os houvesse no Brasil…) contavam com a solidariedade da maioria dos não-negros. Se, por exemplo, uma negra era barrada no elevador social, confundida com a empregada, armava-se o maior estardalhaço. Indignação de todos os lados, e da mídia. “Que absurdo!”, diriam. Todos contra o que Stokeley Carmichael chamou de “racismo individual”, ou “aberto”.

Julho de 2009. Pela primeira vez o passageiro negro entra num avião de empresa aérea de país da África subsahariana, a TAAG angolana, com destino a Luanda. Não devia estranhar, mas estranhou. Quase todos os tripulantes eram negros/as.

Setembro de 2009. De novo em viagem ao exterior, entrou num avião brasileiro. Não devia estranhar, mas estranhou. Uma negra na tripulação (negra, sim, e não uma parda-coringa: aqui, branca; ali, negra). Alvíssaras! Uma, ao menos; melhor do que nenhuma, ou nenhum.

Volta no tempo. Junho de 1999. O negro passageiro viaja em avião brasileiro com destino a Paris, na companhia de dois colegas acadêmicos brancos. Pergunta-lhes, dias depois, se tinham notado que ele era o único negro no avião. Não tinham. “Natural”.

Ainda setembro de 2009. De novo em viagem ao exterior (como viaja!…), entrou num avião de bandeira brasileira. Nenhuma negra na tripulação, ou negro… Nem ao menos uma, ou um… “Natural”.

Estados Unidos, Angola e Brasil. Bons exemplos da distinção entre o “racismo individual” e o “racismo institucional”, nas palavras de Carmichael. E acrescento um terceiro tipo: racismo estrutural. No país do Norte, a presença de negros/as na tripulação dos aviões se deve, em boa medida, às políticas de ação afirmativa lá adotadas desde a década de 1960. Em Angola, ao fato de os negros (pretos retintos e mestiços escuros) constituírem mais de 95% da população. No caso do Brasil, pergunte-se: a que se deveria a ausência de negros/as nos nossos aviões, o mesmo raciocínio valendo para inúmeros outros setores?

Tristeza. Muitos dos não-negros que se mostravam solidários aos negros (em casos de racismo individual), inclusive na Academia e na mídia, agora se colocam como adversários figadais, raivosos, da luta dos negros por igualdade institucional e estrutural. E ainda alegam que fazem isso para evitar o racismo no Brasil… Estranho. Triste; muito triste.

Obs. Sobre o conceito de Ação Afirmativa (não é o mesmo que cotas), ver http://www.jorgedasilva.com.br/artigo/21/acao-afirmativa,-o-que-e?-seria-o-mesmo-que-cotas?-

 

2 Comentários, deixe o seu   |    Imprimir este post Imprimir este post    |   


2 comenários to “UMA NEGRA NA TRIPULAÇÃO”

  1. Capitão Marinho disse:

    Meu Nobre Guru,

    Os amigos dos “Negros” perceberam que para acabar com o racismo, eles terão que ceder espaço. O mero discurso contrário ao “racismo individual” não surte efeito. Aí… “amigos-amigos, negócios à parte”.

    Com meu apreço,

    Marinho.

  2. Luiz Wolf Catellar disse:

    Não Coronel Jorge da Silva, o racismo nunca foi disfarçado. Nas Forças Armadas, deveria ter no mínimo 35% de oficiais negros. Não tem. Por racismo, preconceito? Ou negros não recebem bons estudos no ensino médio e ai, são reprovados na AMAN, AFA e ESCOLA NAVAL? Quantos oficiais superiores têm a Polícia Militar e o Corpo de Bombeiros Militar? Bastante! Será que esses oficiais superiores não tentaram uma academia militar ou estão nas forças auxiliares por pura vocação?
    – No Banco Central do Brasil deveria ter no mínimo 20% da diretoria, diretores negros não têm; preconceito racismo ou os negros não foram qualificados “via” PUC, FGV ou UFRJ?
    – Nos Tribunais, cuja “caixa preta” o Presidente Lula quer abrir, deveria está 50% de Juízes, desembargadores, ministros, não tem ao dizer que a justiça é quem acoita o racismo, posso ir pra cadeia. Preciso ajudar a Justiça encobrir o preconceito.
    – Negro brasileiro, ainda hoje, não pode ter terra, devido à anterioridade, base terrível do direito brasileiro.
    – Nos dois mais luxuosos shoppings centers de S. Paulo, o Iguatemi e o Ibirapuera, não tem uma única moça balconista negra; nem rapaz negro.
    – Nós é que temos o medo, estamos nos acostumando a fingir que não vemos o pus desta ferida.
    – E o Luis Alves de Lima e Silva, o Duque de Caxias, sabe quantos negros o Duque mandou para a guerra em pleno Sec. XIX? Sabe por quê?
    E ainda, documentos oficiais da ABIN, enviados a Procuradoria Geral da República, negam que a ausência de negros na posição de generais, almirantes e brigadeiros nas Forças Armadas, tenha relação com a herança do racismo decorrente dos quase 400 anos de escravidão. Foi a primeira vez que as Forças Armadas se manifestaram oficialmente sobre o tema, que é considerado tabu entre os militares. (VERGONHA)
    Estou cheio de mentiras! Sou branco casado com uma negra, “uma parda-coringa”, porem, que aceita a plenitude dos seus antepassados.
    Eu fiz o inverso do que o NEGRO DE CLASSE MÉDIA BRASILEIRO faz me casei com uma NEGRA e não uma parda-coringa.
    COTAS: SIM! – SALÁRIOS JUSTOS PARA O MAGISTÉRIO JÁ ! Ou perderemos o último trem .
    Abraços. Luiz Wolf Catellar Coronel EB- IME Doutor em Mecânica Quântica
    Pós- Doutorado em Fisica Teorica.
    Imperial College London
    Título: NON COMPACT SYMMETRIC SPACES AND THE TODA MOLECULE EQUATIONS, Ano de Obtenção: 1991.

Envie o comentário


0/Limite de 1800 caracteres

Add video comment