- Jorge Da Silva - http://www.jorgedasilva.blog.br -

(Cont…) EXÉRCITO NA MARÉ (V)

E a Maré?

Em postagem de 26/03/14 (“EXÉRCITO NA MARÉ I”), quando a mídia anunciava que o Exército ocuparia a Maré, estranhei a posição da procuradora do MP militar federal a favor de mandados de busca coletivos, genéricos, num bairro (sic) com 130 mil moradores e 40 mil domicílios, parecendo desconhecer que a Constituição da República, o CPP e o CPPM vedam ao juiz o poder de fazê-lo, sob risco de abuso de autoridade (Lei 4.898/65). Qual nada. Como mencionei em “EXÉRCITO NA MARÉ II” (29/03/14), notícia amplamente divulgada dava conta de que um juiz singular consumara o balão de ensaio. Depois de tudo isso, os policiais são acusados de truculentos…

Em “EXÉRCITO NA MARÉ III” (30/03/14), perguntei, em razão da flagrante ameaça aos direitos fundamentais dos moradores: “Cadê a organização ‘Juízes pela Democracia’? E a OAB? E os grupos que lutam pelos direitos humanos? E os intelectuais, são a favor ou contra? E os progressistas da mídia, são a favor dos mandados de busca coletivos? Por que não se manifestam, a favor ou contra?…” Agora acrescento: cadê os políticos que se dizem “de esquerda”? Nada. Mudos também. Nesses momentos, não há esquerda nem direita, e sim em cima e embaixo. Afinal…

A chegada das tropas (cerca de dois mil efetivos e vários blindados) recebeu grande divulgação e luminosidade, assim como as ações de revista e algumas escaramuças que se seguiram, inclusive as notícias de ataques de traficantes aos militares. Bem, em face da atual escassez de notícias, há que perguntar: como estão as relações dos militares com os moradores? A ausência da Maré no noticiário é sinal de que os traficantes fugiram ou foram presos, e que não há mais tráfico de drogas ali?