foto de Jorge Da Silva

Jorge Da Silva é cientista político. Doutor em Ciências Sociais pela UERJ e professor-adjunto / pesquisador-visitante da mesma universidade. Professor conteudista do Curso EAD de Tecnólogo em Segurança Pública (UFF - CEDERJ / CECIERJ). Criado no hoje chamado Complexo do Alemão, no Rio, serviu antes à PM, corporação em que exerceu o cargo de chefe do Estado-Maior Geral. Foi também secretário de Estado de Direitos Humanos/RJ. É vice-presidente da LEAP Brasil ('Law Enforcement Against Prohibition Brazil' (Agentes da Lei Contra a Proibição)).

Ver perfil

Os conteúdos dos textos deste Blog podem ser usados livremente. Pedimos, no caso, que sejam consignados os devidos créditos, com a citação do autor e da fonte.

 



 

 

AP 470. QUÉ QUÉ ISSO, COMPANHEIROS?!

2 Comentários, deixe o seu

.

Se levarmos em conta as artimanhas de alguns condenados para não cumprirem suas penas como os ‘mortais’, chega-se à conclusão de que, no Brasil, não existem direita e esquerda, e sim ‘em cima’ e ‘embaixo’. “Qué qué isso, companheiros?!”
Que papelão!

2 Comentários, deixe o seu   |    Imprimir este post Imprimir este post    |   


2 comenários to “AP 470. QUÉ QUÉ ISSO, COMPANHEIROS?!”

  1. NEIDE disse:

    É um verdadeiro descaso com a população a falta de informação do que realmente acontece no nosso país. Não é admissível que se leve adiante tamanho despropósito em se criar dias de visitas aos “ladrões” do mensalão para que a família dos mesmos não se deparem com a família dos outros presos. Se existe diferença entre eles realmente me é desconhecida. Roubaram e mataram. Mataram sim, o povo de fome, pois, roubaram a verba que era destinada ao povo e à uma vida mais humana e decente. Mataram os sonhos de um povo que só tem o direito de trabalhar(quando tem emprego), pagar impostos para que esses “senhores” tivessem o direito à uma vida de elite. Ridículo essa atitude de não deixar que a família de todos se encontrassem e percebessem o que a ganância deles os levou à fazer em muitos dos casos. É lastimável vermos que tudo passa, menos a artimanha política.

  2. jorge disse:

    Cara Neide,
    É realmente lamentável. Pior é alguns desses condenados fizeram carreira política dizendo-se defensores dos pobres.

Envie o comentário


0/Limite de 1800 caracteres

Add video comment