- Jorge Da Silva - http://www.jorgedasilva.blog.br -

POLÍCIA E CHACINAS

.

Deu na Folha de São Paulo (07/01/2013):

“Polícia só esclarece 1 das 24 chacinas do ano passado em SP”

Não se trata apenas de São Paulo, pois é um padrão nacional. A tradição brasileira sempre foi usar as forças de segurança para lidar com questões sociais (“menores” nas ruas, sem-terra, sem-teto, ambulantes, mendigos, favelas, drogas etc.) Daí que, em se tratando da criminalidade e da violência urbana especificamente, só se fala em combate, operações, blitze, tropas de elite, de choque, blindados; e na quantidade de maconha ou cocaína apreendida nas operações, com direito a fotos e tudo mais. Quanto à investigação dos crimes, basta ver as taxas de elucidação dos mesmos no Brasil, em comparação com as de outros países. No caso dos homicídios, as taxas são ridículas. Claro, como desenvolver as atividades de investigação criminal a contento se boa parte dos policiais incumbidos dessa função é direcionada para outras tarefas, somado ao fato de muitos deles preferirem o aparato e o fuzil à lupa? Na verdade, só se exige empenho investigativo da polícia quando a vítima é pessoa “de qualidade”. Aí, e só aí, as autoridades vêm a público para prometer uma apuração rigorosa, um inquérito “rigoroso”. Se, no entanto, as vítimas e os algozes das chacinas proveem do mesmo estrato social dos “chacináveis”, para que investigar? A conclusão a que se chega é óbvia: é assim porque é para ser assim mesmo. Bem, quem sabe, daqui a umas duas ou três décadas não se proclame a república no Brasil!

PS. Link da matéria da Folha: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/cotidiano/87433-policia-so-esclarece-1-das-24-chacinas-do-ano-passado.shtml [1]