foto de Jorge Da Silva

Jorge Da Silva √© cientista pol√≠tico. Doutor em Ci√™ncias Sociais pela UERJ e professor-adjunto / pesquisador-visitante da mesma universidade. Professor conteudista do Curso EAD de Tecn√≥logo em Seguran√ßa P√ļblica (UFF - CEDERJ / CECIERJ). Criado no hoje chamado Complexo do Alem√£o, no Rio, serviu antes √† PM, corpora√ß√£o em que exerceu o cargo de chefe do Estado-Maior Geral. Foi tamb√©m secret√°rio de Estado de Direitos Humanos/RJ. √Č vice-presidente da LEAP Brasil ('Law Enforcement Against Prohibition Brazil' (Agentes da Lei Contra a Proibi√ß√£o)).

Ver perfil

Os conteúdos dos textos deste Blog podem ser usados livremente. Pedimos, no caso, que sejam consignados os devidos créditos, com a citação do autor e da fonte.

 



 

 

DESAGRAVO AO DEPUTADO JOÃO PAULO CUNHA

10 Comentários, deixe o seu

.

O deputado Jo√£o Paulo Cunha, ap√≥s ter sido condenado por 9 dos 11 ministros do STF, foi alvo de manifesta√ß√£o de desagravo em Osasco, munic√≠pio onde era candidato a prefeito. Pensei que se tratava de um gesto de compaix√£o para com uma pessoa querida, mas que fora colhida pelo infort√ļnio em fun√ß√£o de seus pr√≥prios atos. Afinal, o julgamento do chamado ‚ÄúMensal√£o‚ÄĚ tem sido transmitido ao vivo pela TV.

Enganei-me. O desagravo era, na verdade, uma exaltação às supostas qualidades do deputado, descrito pelos companheiros como pessoa correta e preocupada com os problemas do povo. Uma manifestação indignada, e mesmo raivosa, com palavras de ordem e até agressão a repórteres e fotógrafos, como noticiou O Globo (31 ago). Para os que o apóiam, o deputado é inocente, inobstante saberem dos atos que praticou.

Indigna√ß√£o seletiva. Grande parte dos brasileiros, talvez a maioria, alivia-se com a condena√ß√£o dos primeiros r√©us. Imagina que o julgamento ser√° um lenitivo para a sua indigna√ß√£o; um divisor de √°guas nos temas da impunidade e da corrup√ß√£o no Brasil. Acho que n√£o. O deputado Jo√£o Cunha n√£o parece envergonhado, como se poderia esperar. Ao contr√°rio, continua ativo e mostra-se, ele sim, indignado. (Ali√°s, o jingle de sua campanha era “Jo√£o coragem, Jo√£o valente”). Indicou o vice da nova chapa √† prefeitura de Osasco e faz campanha para o candidato que o substituiu. E empenha-se em articula√ß√Ķes para manter o mandato de deputado federal.

Na verdade, estamos diante do fato de que a indigna√ß√£o entre n√≥s depende dos protagonistas em quest√£o, pois obedece √† seguinte l√≥gica: corrup√ß√£o s√≥ √© ato abomin√°vel e imoral se praticada pelos ‚Äúoutros‚ÄĚ; se praticada por n√≥s ou por pessoas com as quais nos identificamos por alguma raz√£o, n√£o seria ato criminoso. √Äs favas com os escr√ļpulos! Em suma, o nosso problema √© cultural, resumido numa √ļnica palavra: vergonha. Isso n√£o d√° para mudar com leis ou tribunais.

 

10 Comentários, deixe o seu   |    Imprimir este post Imprimir este post    |   


10 comenários to “DESAGRAVO AO DEPUTADO JO√ÉO PAULO CUNHA”

  1. Paulo Xavier disse:

    Cel Jorge da Silva.
    O senhor está corretíssimo, porém o problema cultural maior é que no nosso país só se pune pobre, preto, prostituta e pequeno; logo logo esses que estão aí sendo julgados pelos mais variados crimes estarão ocupando cargos de destaque em qualquer um dos três poderes, seja a nível federal estadual ou municipal; o senhor duvida!?

  2. jorge disse:

    Caro Paulo,
    √Č isso mesmo. Essa turma n√£o tem vergonha.

  3. Cel Wilton disse:

    Caro amigo Cel Jorge, como diz a sabedoria popular, gambá não só cheira a gambá, como também cheira gambá e é cheirado por gambás. Então companheiro, o que estamos vendo é uma gambazada só, desesperada pela possibilidade de perder ou afastar-se mesmo eventualmente das gordas, pujantes, inacabáveis e saborosas tetas governamentais. Como o companheiro disse, é uma vergonha.

  4. jorge disse:

    Caro Wilton,
    O pior é que tem muita gente que aparenta indignação, mas só da boca pra fora. Para esses, os honestos são, perdoe a expressão, babacas.

  5. A C Azevedo disse:

    Caro Jorge,

    Voc√™, Wilton e o Xavier est√£o cobertos de raz√£o. O que fazer o cidad√£o honesto em face desse quadro? Manifestar somente a sua indigna√ß√£o? Os pol√≠ticos que est√£o grunhindo s√£o aqueles que est√£o de fora das tetas p√ļblicas. Os que est√£o “mamando” ficam bem quietinhos. Assim em termos coletivos n√£o se vislumbra solu√ß√£o. Pelo voto s√≥ podemos mudar as moscas. O sistema permanece. Na verdade, esse epis√≥dio do mensal√£o s√≥ apareceu pelo desentendimento de quadrilhas. √Č a pontinha do iceberg. At√© hoje, todos os epis√≥dios levantados deveu-se a den√ļncias de quadrilheiros, amantes, ex-mulher, ex-genro etc. Como permanecer otimista se nos √ļltimos quarenta anos s√≥ vimos o Brasil piorar em termos de √©tica?

  6. jorge disse:

    O problema √© que muita gente s√≥ se indigna com a corrup√ß√£o dos pol√≠ticos o os poderosos em geral. Quando, numa sociedade, ser honesto √© sin√īnimo de ser babaca, o mal afeta, em maior ou menor grau, todos os setores e todas as classes. Insisto: √© quest√£o hist√≥rico-cultural. Com certeza, muitos dos culpados nesses esc√Ęndalos j√° devem ter engrossado as fileiras daqueles que pedem para endurecer as penas contra ladr√Ķes e assaltantes das camadas populares. Falam at√© em pena de morte.

  7. Karla Martins Rabello disse:

    Coronel Jorge da Silva- O Brasil est√° inadministr√°vel. N√£o ?

    Vide matéria publicada hoje em vários veículos de comunicação aqui no Rio de Janeiro.
    “Comandante diz que caso de policiais que roubaram mochila ‘joga PM na lama’
    Erir Ribeiro critica postura de PMs em assalto na Tijuca e admite que os mesmos poderão ser expulsos da corporação
    Rio – O comandante geral da Pol√≠cia Militar, coronel Erir Ribeiro Costa Filho comentou, nesta segunda-feira, o caso de quatro policiais do 4¬ļ BPM (S√£o Crist√≥v√£o) suspeitos de sumir com a mochila usada pelos ladr√Ķes do Restaurante Brasa Gourmet, na Tijuca. O caso ocorreu no dia 13 de agosto.”

    Esses PMs são reflexos dos políticos do Brasil e, seus comandantes certo ?
    O patrimonialismo √© uma c√Ęncer terminal em todas esferas do poder. O PM s√≥ roubou a mochila do verme do bandido, pois, o mesmo √© um trabalhador fardado com carteira de POL√ćCIA nas m√£os . Ia me esquecendo tamb√©m um porte de arma. Isso √©: Uma carteira e uma pistola.
    O senhor foi primeiro escalão em vários governos do RJ. tais governos de santos homens ? Não aceite meu post como provocação!
    Abraços

  8. jorge disse:

    Car Sra. Karla,
    A amiga tem razão. Não tenho e jamais tive pretensão à santidade, o que não quer dizer que concorde com a corrupção que campeia em todos os setores da sociedade. Muito pelo contrário, como imagino ser o seu caso. Lamentavelmente, vivemos numa sociedade em que a vergonha é um valor praticamente ausente. Não sei qual é a sua área de atuação, mas com certeza não é imune a esse mal, o que não quer dizer que a amiga também participe.

  9. Adilson da Costa Azevedo disse:

    Caro Jorge,

    No per√≠odo da chamada revolu√ß√£o os compositores Marcos e Paulo S√©rgio Valle receberam cr√≠ticas de alguns colegas por n√£o fazerem “m√ļsica de protesto”. Para estes, eles fizeram uma can√ß√£o com o nome de “A resposta”. No seu verso principal que era o cerne da quest√£o eles disseram: “Falar do morro morando de frente pro mar n√£o vai fazer ningu√©m melhorar”. Quando comentamos essa roubalheira cont√≠nua e perp√©tua fruto da “quest√£o hist√≥rico cultural” do Brasil fico desanimado como os irm√£os Valle, de comentar essas “tenebrosas transa√ß√Ķes”. Parece que tudo √© in√ļtil. A solu√ß√£o est√° na determina√ß√£o individual como o exemplo do neurocirurgi√£o afrodescendente que operou o oper√°rio com o vergalh√£o na cabe√ßa. Esse m√©dico e outras exce√ß√Ķes s√£o usados como regra para negar as cotas e as a√ß√Ķes afirmativas. Os rios de corrup√ß√£o nas esferas municipal, estadual e federal impedem que tenhamos escolas de qualidade, habita√ß√Ķes dignas, hospitais equipados e em consequ√™ncia aumentar o acesso a uma forma qualificada de cidadania. No caso desse julgamento no Supremo ensejado pela den√ļncia de um membro da quadrilha, o cinismo impera com palavras de ordem como “persegui√ß√£o pol√≠tica”, “luta partid√°ria”, “recursos n√£o contabilizados” etc. para tentar explicar o inexplic√°vel. No final os condenados ainda far√£o cara de m√°rtir, os quais foram imolados na defesa do partido. Talvez o √ļltimo grito que possamos dar √©: “Salve-se quem puder.” √Č triste. √Č lament√°vel, mas esta √© a verdade. Foi com esse quadro que o poeta Cazuza clamou “Ideologia, eu quero uma pra viver”

  10. jorge disse:

    Adilson,
    Um cirurgi√£o negro; um ministro negro… Um!
    Democracia racial…

Envie o comentário


0/Limite de 1800 caracteres

Add video comment