foto de Jorge Da Silva

Jorge Da Silva é cientista político. Doutor em Ciências Sociais pela UERJ e professor-adjunto / pesquisador-visitante da mesma universidade. Professor conteudista do Curso EAD de Tecnólogo em Segurança Pública (UFF - CEDERJ / CECIERJ). Criado no hoje chamado Complexo do Alemão, no Rio, serviu antes à PM, corporação em que exerceu o cargo de chefe do Estado-Maior Geral. Foi também secretário de Estado de Direitos Humanos/RJ. É vice-presidente da LEAP Brasil ('Law Enforcement Against Prohibition Brazil' (Agentes da Lei Contra a Proibição)).

Ver perfil

Os conteúdos dos textos deste Blog podem ser usados livremente. Pedimos, no caso, que sejam consignados os devidos créditos, com a citação do autor e da fonte.

 



 

 

(Cont… ) O “MENSALÃO E A BOLSA DE APOSTAS (II)

4 Comentários, deixe o seu

. Bingo!

Na postagem anterior, abaixo, afirmei que, na “Bolsa de Apostas” da AP 470, os apostadores não se orientam por autos, provas ou técnica jurídica, e sim por critérios do mundo “fora dos autos”, com o que eles conseguem saber, “de antemão, muito antes de começar o julgamento, quem vai votar contra ou a favor. Dificilmente erram”.

Adivinhei. Até aqui, nenhum apostador errou… Arrisco: 6 a 5; ou 5 a 5; ou 4 a 6. Façam suas apostas, mas deixem os fatos de lado. Concentrem-se na análise do passado dos juízes e nas suas ligações.

4 Comentários, deixe o seu   |    Imprimir este post Imprimir este post    |   


4 comenários to “(Cont… ) O “MENSALÃO E A BOLSA DE APOSTAS (II)”

  1. adilson da costa azevedo disse:

    Caro Jorge,

    Não podemos esquecer que os ministros que já votaram podem mudar o voto antes do término do julgamento. ‘Onde digo digo, digo que não digo”. Portanto, digamos que se trata de um “placar” provisório.

  2. jorge disse:

    Adilson,
    Os únicos que devem estar preocupados são o Lewandowski e o Tóffoli.

  3. Adilson da Costa Azevedo disse:

    Caro Jorge,

    A pauta de julgamento foi suspensa na terça feira. Não parece incoerente com o esforço de agilizar a votação para permitir que o Peluso vote antes da aposentadoria? Será que não foi um “freio de arrumação” para a “composição” entre ministros? Será que se trata de um acordo para condenar alguns e inocentar o “chefão”?

  4. jorge disse:

    Caro Adilson,
    Acho que não.

Envie o comentário


0/Limite de 1800 caracteres

Add video comment