foto de Jorge Da Silva

Jorge Da Silva é cientista político. Doutor em Ciências Sociais pela UERJ e professor-adjunto / pesquisador-visitante da mesma universidade. Professor conteudista do Curso EAD de Tecnólogo em Segurança Pública (UFF - CEDERJ / CECIERJ). Criado no hoje chamado Complexo do Alemão, no Rio, serviu antes à PM, corporação em que exerceu o cargo de chefe do Estado-Maior Geral. Foi também secretário de Estado de Direitos Humanos/RJ. É vice-presidente da LEAP Brasil ('Law Enforcement Against Prohibition Brazil' (Agentes da Lei Contra a Proibição)).

Ver perfil

Os conteúdos dos textos deste Blog podem ser usados livremente. Pedimos, no caso, que sejam consignados os devidos créditos, com a citação do autor e da fonte.

 



 

 

DE VOLTA AO ESCRACHO

Deixe seu comentário

.

(Nota: Transcrito de MEU LOTE, de Nei Lopes (www.neilopes.blogger.com.br))

 

Quinta-feira, Agosto 09, 2012

DE VOLTA AO ESCRACHO

Na década de 1920, era comum, no cinema americano, a representação de personagens negros por artistas brancos pintados de preto, prática essa banida no contexto das lutas pelos direitos civis do povo afro-americano, mas que ainda persistiu na televisão brasileira, filha bastarda de Hollywood.

Com as conquistas dos movimentos de afirmação da identidade afrobrasileira, conquistas essas em boa parte acolhidas pelo Poder institucional, isso parecia também ter acabado por aqui.

Mas de repente eis que um programa “humorístico” da maior rede de tevê do Brasil, retoma o escárnio e a violência destrutiva do estereótipo mais negativo (mulher negra, feia, iletrada, ridícula) , através do malfadado “black-face”.

A notícia nos chega através da Internet, pois naturalmente nenhuma “zorra”, total ou parcial, consta no cardápio televisivo aqui do Lote. E a adrenalina da indignação nos empalidece o rosto.

Mas a bronca arrefece um pouquinho ao sabermos que providências legais estão sendo tomadas contra mais esta ação racista, a qual confirma algo já sabido: que apesar dos avanços tecnológicos, a postura ideológica e ética da televisão brasileira parou na década de 1920.

(Cf.  www.neilopes.blogger.com.br )

 

Deixe seu comentário   |    Imprimir este post Imprimir este post    |   


Envie o comentário


0/Limite de 1800 caracteres

Add video comment