foto de Jorge Da Silva

Jorge Da Silva é cientista político. Doutor em Ciências Sociais pela UERJ e professor-adjunto / pesquisador-visitante da mesma universidade. Professor conteudista do Curso EAD de Tecnólogo em Segurança Pública (UFF - CEDERJ / CECIERJ). Criado no hoje chamado Complexo do Alemão, no Rio, serviu antes à PM, corporação em que exerceu o cargo de chefe do Estado-Maior Geral. Foi também secretário de Estado de Direitos Humanos/RJ. É vice-presidente da LEAP Brasil ('Law Enforcement Against Prohibition Brazil' (Agentes da Lei Contra a Proibição)).

Ver perfil

Os conteúdos dos textos deste Blog podem ser usados livremente. Pedimos, no caso, que sejam consignados os devidos créditos, com a citação do autor e da fonte.

 



 

 

NOTA DE REPÚDIO DA AME/RJ

9 Comentários, deixe o seu

.

Transcrevo abaixo, em apoio, a Nota de Repúdio da AME/RJ  contra a venda do QG da PMERJ. Alguém me responda: que benefícios a medida traria à PM, à segurança, ao Rio de Janeiro e à sociedade em geral?

 _______________________________________________________

ASSOCIAÇÃO DE OFICIAIS MILITARES ESTADUAIS

DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO – AME/RJ

IDEALISMO NA LUTA POR DIREITOS  

 

REPÚDIO

 

A Associação dos Oficiais Militares Estaduais do Rio de Janeiro – AME/RJ, entidade de classe representativa de Policiais e Bombeiros Militares do Estado, no sentido de assegurar a preservação do patrimônio da Policia Militar, vem através do presente manifestar profundo e absoluto REPÚDIO à venda do Quartel General da PMERJ promovida pelo Governador, cuja intenção do negócio, segundo notoriamente anunciado pelo referido Governante, é acabar com o conceito de aquartelamento na corporação.

O próprio onde está sediado o Quartel General da PMERJ alberga valores imateriais incomensuráveis, de expressão histórica relevante não só para a cidade e o Estado do Rio de Janeiro, mas para a formação do Brasil. A importância estratégica do Quartel General é inquestionável e sua localização propicia o eficiente e versátil desdobramento e a rápida articulação de unidades policiais e tropas para qualquer parte da cidade, possibilitando uma prestação de serviço efetiva e célere.

O negócio imobiliário promovido pelo Governador retira da PMERJ o seu bem maior, a sua casa, um imóvel que se insere num contexto arquitetônico que traduz parte da história do Brasil. Com essa venda, vence a ganância do poder público, a especulação imobiliária, o descaso com a história,  e a passividade da população que não dá valor ao que lhe pertence. Por sua vez, perde-se mais de duzentos anos de história, a dignidade do policial militar, a honra dos que poderiam ter evitado tal tragédia, e nossos descendentes que sequer poderão contemplar uma caserna que abrigou grandes e ilustres militares brasileiros, heróis de nossa pátria.

Por conta de tudo isso e, sobretudo, em razão de tudo que simboliza e significa o imóvel do Quartel-General para a PMERJ e para a cidade do Rio de Janeiro, a AME/RJ REPUDIA veementemente a venda do Quartel General da PMERJ.

À Policia Militar do Estado do Rio de Janeiro, a associação itera irrestrito apoio e solidariedade.

Rio de Janeiro, 22 de maio de 2012

CARLOS FERNANDO FERREIRA BELO

PRESIDENTE

Associação de Oficiais Militares Estaduais do Rio de Janeiro – AME/RJ

9 Comentários, deixe o seu   |    Imprimir este post Imprimir este post    |   


9 comenários to “NOTA DE REPÚDIO DA AME/RJ”

  1. paulo roberto disse:

    Olá Professor, faço questão de deixar aqui consignado a minha solidariedade com a nota da AME/RJ. O desapreço dos governos com a história nacional e com os locais que materializam essa história é bem conhecido e transcende as administrações ao longo do tempo. No Rio de Janeiro, essa atitude é ainda mais aguda: essa é a cidade que pôs a baixo seu marco de fundação (o morro do Castelo); que demoliu o Palácio Monroe para fazer uma praça com chafariz; onde vários pontos históricos importantes estão degradados e péssimamente cuidados. Sem dúvida triste.

    ps: só como lembrança, o atual governo do estado também tentou fazer do histórico complexo esportivo Caio Martins um lucrativo empreendimento imobiliário…

  2. jorge disse:

    Caro Paulo,
    Como se costuma dizer: “Povo que não conhece a sua história…”. E acrescento: é povo desmemoriado, sem rumo. Ignorante.

  3. Cel Wilton disse:

    Caro amigo, nenhum beneficio,a não ser para aqueles que receberão as 30 moedas, aliás 400, aliás outra vez, 336.

    Mas não se preocupe, o saudoso Cel Vidal já providenciou um lugar de honra na sua GALERIA DE TRAIDORES INSTITUCIONAIS para todos os vendlilhões do templo sagrado.
    Ousar lutar ousar vencer, OUSO.Abraço, Cel Wilton.

  4. jorge disse:

    Caro Wilton, eu soube (não sei se é verdade) que a notícia da venda do QG foi um acelerador do desfecho fatal do nosso cel Vidal.

  5. Cel Wilton disse:

    Caro amigo. Sim , já ouvi falar também , que seu patriota coração azul gendarme não resitiu a dose cavalar de traição institucional ,operacionalizada pela venda do TEMPLO SAGRADO e outros Quarteis, mais a extinção da EsFO e ESPM, junto com a também provável extinção do instituto do oficialato superior, tudo visando a satisfazer interesses inconfessáveis daqueles que querem um policia unica, civil e de carreira(deles). Desta forma , teria sido doloroso e impactante demais para o nobre coração de nosso saudoso amigo, defensor perpetuo das tradiçãos de nossa PM.Cel Wilton

  6. Adilson da Costa Azevedo disse:

    Caro Jorge,

    Creio que essa nota de repúdio da AME seja a primeira reação a essa violação da história da PM e do Brasil, a qual, certamente, tomará outras providências. Na tentativa de desapropriação do prédio da Bolsa de Valores, o advogado Sérgio Bermudes que possui dois andares no prédio reagiu como um leão feroz sendo atacado em sua toca, de forma tão barulhenta que os interessados do governo recuaram e estão em busca alternativa para instalar os gabinetes da Assembléia Legislativa. Como foi demonstrado há interesses(decisão?) do alto escalão do Poder para que a Petrobrás adquira um grande terreno nas proximidades da Estatal. Que tal a construção das novas instalações da Petrobrás no terreno da Fundição Progresso ou na Praça Tiradentes? Afinal de contas, ficou demonstrado que não há compromisso com a nossa história.

  7. Claudio Valentim disse:

    Seria importante o IPHAN – Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – entrar nesse circuito, pois o QG da PM é, em seu todo, um prédio de relevante importância histórica, sem contar que ele abriga a bela e também histórica Igreja de Nossa Senhora das Dores, que foi erigida em razão de uma promessa feita à santa quando da partida de nossas tropas para a Guerra do Paraguai.

    Quem sabe poderíamos contar ainda com a intervenção do Ministério Público e da própria Igreja Católica!

    É interessante lembrar que muitos dos responsáveis pela destruição de nosso patrimônio histórico, artístico e cultural são justamente os que em seus périplos pela Europa, normalmente às custas do erário e de empreiteiros, se mostram deslumbrados com os importantes monumentos lá tão bem preservados por uma Administração Pública decente e realmente comprometida com sua pátria, sua história, seu povo, e com valores morais que estão longe de ser alcançados pela esmagadora maioria de nossos administradores públicos e, também, privados.

  8. Claudio Valentim disse:

    A verdade não pode ser monitorada pela moderação. Infelizmente, a classe política, que é a em que deveríamos contar com os cidadãos mais honestos e competentes, é, aqui no Brasil, o valhacouto dos piores bandidos, corruptos, desonestos, incompetentes, sevandijas e velhacos.

    E esses vermes sobrevivem e se reproduzem justamete devido à moderação desse nosso povo mal esclarecido e excessivamente pacato.

    Lembre-se de que estamos num Estado Democrático de Direito e de que possuímos garantias constitucionais, que devem ser respeitadas.

    Não há por que ter moderação com o crime, com a contravenção e com a falta de ética cometidos por aqueles de quem mais e melhor esperamos.

  9. Claudio Valentim disse:

    Justamente por não terem moderação ao defenderem a verdade é que Jair Bolsonaro e Cidinha Campos estão cumprindo, respectivamente, o seu 6º e 8º mandatos como deputados.

Envie o comentário


0/Limite de 1800 caracteres

Add video comment