foto de Jorge Da Silva

Jorge Da Silva é cientista político. Doutor em Ciências Sociais pela UERJ e professor-adjunto / pesquisador-visitante da mesma universidade. Professor conteudista do Curso EAD de Tecnólogo em Segurança Pública (UFF - CEDERJ / CECIERJ). Criado no hoje chamado Complexo do Alemão, no Rio, serviu antes à PM, corporação em que exerceu o cargo de chefe do Estado-Maior Geral. Foi também secretário de Estado de Direitos Humanos/RJ. É vice-presidente da LEAP Brasil ('Law Enforcement Against Prohibition Brazil' (Agentes da Lei Contra a Proibição)).

Ver perfil

Os conteúdos dos textos deste Blog podem ser usados livremente. Pedimos, no caso, que sejam consignados os devidos créditos, com a citação do autor e da fonte.

 



 

 

O QUÊ?… UMA UPP PARA NITERÓI?

11 Comentários, deixe o seu

.

1. Numa das fotos do protesto por mais segurança em Niterói, ocorrido no domingo passado, 15 de abril, na Praia de São Francisco, um grande cartaz dos manifestantes pedia uma UPP para a cidade.

2. No jornal O Globo de hoje, 19 de abril, lê-se em chamada de primeira página:

“Favelas do Alemão já têm duas UPPs / O Complexo do Alemão ganhou as primeiras UPPs, nas favelas da Nova Brasília e Fazendinha. Ronda do Globo por ruas de Niterói constatou apenas um PM a cada 6km, apesar dos reforços dos recrutas.” 

No interior da matéria (p. 22), há a informação de que as duas novas UPPs contarão com 660 PMs, que atenderão 40 mil moradores. Essas duas são apenas as primeiras das oito UPPs anunciadas para aquele Complexo.

Bem, como demonstrado na postagem anterior, até uma ou duas semanas atrás, o 12º BPM, encarregado de policiar as cidades de Niterói e Maricá, e suas favelas (cerca de 650 mil habitantes), contava com cerca de 700 PMs, fruto do deliberado sangramento dos efetivos policiais da cidade desde a fusão. (Conferir adiante).

3. Embora se deva reconhecer que a segurança do Complexo do Alemão é um caso à parte, pois era uma área dominada totalmente por traficantes, não se compreende tamanho desequilíbrio: 660 PMs para 40 mil habitantes (sem contar os que serão destinados às outras seis UPPs) versus  700 PMs para 650 mil habitantes.

4. Voltando ao cartaz da manifestação. Como pode um protesto por mais segurança na cidade pedir uma UPP? Por que os manifestantes não pediram a recomposição do dispositivo policial (PM e PC) desmontado desde então. Seriam necessários pelo menos mais 2.000 policiais. Talvez, pedindo apenas uma UPP, estejam pensando em que esta seja implantada nas proximidades da sua praia. No fundo, faz sentido. Niterói também tem a sua Zona Sul, e a sua “orla”.

Que o governo não caia nessa!

 

11 Comentários, deixe o seu   |    Imprimir este post Imprimir este post    |   


11 comenários to “O QUÊ?… UMA UPP PARA NITERÓI?”

  1. Cel Wilton disse:

    Bom dia amigo Cel Jorge.

    Sinto que a cada dia mais, nós niteroenses, estamos sendo tratados como debeis mentais, desequilibrados mentais, alienados mentais, etc, etc, etc…(meu real medo é que isso um dia seja provado e aprovado),senão vejamos:
    Passados varios momentos de altos e baixos (mais baixos que altos), o efetivo e as técnicas e estratégias policiais ostensivas que atenderam Niteroi, mostravam em 2006 o seguinte quadro de situação:
    1. O 12 BPM, andava com seu efetivo em torno de 1200 homens,
    2.Havia o GETAM/Niteroi com efetivo de cerca de 120 homens,
    3.Havia o saudoso GEPAE/UPP/Cia Destacada do Morro do Cavalão com efetivo de 100 homens,
    4. Havia o saudoso GEPAE/UPP/Cia Destacada do Morro do Estado com efetivo de 100 homens,
    5. Haviam os saudosos Núcleos de Policiamento Comunitario dos Bairros de São Francisco e Santa Rosa/ Pé Pequeno,com efetivo de 30 homens cada nucleo,
    6.¨Havia o Canil do 12 BPM com efetivo aproximado de 30 homens,
    7.Havia a atividade meio do antigo CPI, ESPM e LIF que poderíamos estimar em no minimo 50 homens a apoiarem pelo menos em finais de semana e grandes eventos,
    (é o que lembro no momento)
    Ao somarmos, podemos registrar sem receio de dados absurdos, a soma de:

    1200 + 120 + 100 + 100 + 30 + 30 + 30 + 50 = 1660 homens

    Vejamos agora o quadro atual (antes dos reforços que estão a chegar):
    1. 12 BPM- 800 homens (está há 6 anos sem receber reforço de monta),
    2. GETAM- acabou,
    3.Cavalão- acabou,
    4.Morro do Estado- acabou,
    5-Nucleos de Policiamento Comunitario-acabaram,
    6. Canil do 12 BPM- acabou,
    6.Atividade meio de antigo CPI, ESPM, LIF – acabaram,
    OBS1. Diria sem medo de errar que grande (enorme) parcela desse efetivo intitulado por mim como “acabou/acabaram)” foi remanejado para compor ou reforçar Unidades na Capital.

    Portanto, 1660 – 800 = 860. O Município de Niteroi perdeu, de 2006 para cá, 860 homens.

  2. jorge disse:

    Caro Wilton,
    Eu não sabia que o esvaziamento recente tinha sido tão acentuado. Porém parece-me que isso é coisa da própria PM. Freud deve explicar.

  3. Catia Cunha disse:

    continuando… Após um derramamento de sangue. Acredito que haverá realmente JUSTIÇA. Todas as esferas do PODER, CORONEL estão inadministráveis.
    Ou melhor ‘tá tudo dominado!’

  4. Wilton disse:

    Continuação.
    Finalmente, abrem-se os jornais e depara-se com o seguinte pacote de medidas para resolver a crise do aumento da criminalidade em Niterói:
    . REFORÇAR O EFETIVO DO 12 BPM ( Ué, mas quem desreforçou?)

    . CRIAR O GEPAE/UPP/Cia DESTACADA OU OUTROS QQ NOMES QUE SE QUEIRA DAR, NO MORRO DO CAVALÃO, COM O EFETIVO DE 100 HOMENS (Ué, mas quem descriou?)

    . CRIAR O GEPAE/UPP/Cia DESTACADA OU IDEM ACIMA, NO MORRO DO ESTADO, COM O EFETIVO DE 100 HOMENS (Ué, mas quem descriou ?)

    . IMPLANTAR O NÚCLEO DE POLICIAMENTO COMUNITÁRIO NO BAIRRO DO SACO DE SÃO FRANCISCO (Ué, mas quem desimplantou?)

    RONDAS TEMPORARIAS DE MOTOCICLISTAS DO BPCHQ (temporárias !!!!!!!!!!!!!)

    RONDAS TEMPORARIAS DE POLICIAMENTO MONTADO NA REGIÃO OCEÂNICA (temporárias!!!!!!!!!!!!)

    OBS2 – Acho que 6 anos depois, continuam a nos dever em efetivo e originalidade, pelo menos para ficar 0X0.

    OBS3 – E olha que não se pontuou a respeito de aumento populacional, aumento de frota de veículos, especulação imobiliária avassaladora,fenômeno do transbordamento criminoso, deslocamento da mancha criminal, etc.

    Companheiro, é para reflexão, preocupação, exasperação, rir às panparras, abandonar-se a apatia, desesperar-se ao extremo, ou bater palmas? (porque é bater palmas, que as autoridades niteroienses, a imprensa, parte da população – ainda bem que parte – estão fazendo). Daí a minha preocupação que fique constatado que somos ou estamos alienados mentais.

    OBS 4 – É ou não é a historia do fazendeiro, do peão, do bode e outros, na sala do barraco?

    Um forte abraço e sempre à disposição.

    Cel Wilton

  5. jorge disse:

    Caro Cel Wilton,
    Insisto. Parece-me que o esvaziamento recente, a que o amigo alude, é coisa da própria PM. Repito: Freud talvez explique.

  6. Adilson da Costa Azevedo disse:

    Caro Jorge,

    Perdoe-me entrar nesse diálogo de duas sumidades em segurança pública. Você atribui o esvaziamento do efetivo de Niterói a própria Corporação. Isso é uma novidade para mim. A história recente demonstra que a PM não manda na PM. Todas as políticas de segurança pública são ditadas de fora para dentro pelo braço político do estado que é a Secretaria de Segurança. Qualquer tentativa de autonomia de qualquer comandante de PM tem como resposta a sua exoneração. Assim, um deslocamento de um efetivo de Niterói na proporção que Wilton demonstrou, em período tão curto, parece que não foi coisa de PM. Da mesma forma que a volta também não será coisa da própria PM.

  7. jorge disse:

    Caro Adilson,
    Há que distinguir o atacado do varejo. De fato, quanto ao atacado (as grandes decisões, como você mostra) a PM perdeu autonomia. A distribuição dos efetivos no estado, por exemplo, não parte mais do planejamento da Corporação. Porém no que tange ao varejo (como acabar com o canil do 12º, com o GETAM, com os Núcleos de Policiamento Comunitário, com o Gepae do Cavalão etc., isso é coisa da própria PM, com certeza. Atavismo guanabarino. Entendeu?

  8. Emir Larangeira disse:

    Concordo com a percepção do Adilson. A verdade é que muitas UPPs sugaram efetivos de Niterói e São Gonçalo, em especial PMs novos de idade e de corporação. Isto ocorreu em silêncio, no “sapatinho”, e é mais um dos tantos motivos do histórico sangramento de Niterói e algures. Sobre o “atavismo” do Cel Jorge, basta observar a obcecada disposição dos guanabarinos em fechar o HCPM-Nit. Isto ocorre desde o segundo comando do Cel Cerqueira, quando o Chefe do EM, Cel Rabello, anunciava aos quatro ventos que transformaria o HCPM-Nit em “Casa do Velho PM”. Ah, tem hora que me dá vontade de escancarar um artigo apontando a realidade do histórico cisma entre a PMEG e a PMRJ, extintas no apenas papel e desafetas até hoje na realidade física, já que a atual PMERJ absorveu a cultura guanabarina contra treme-terras. De minha parte, e como protesto, decidi não mais comparecer na comemoração do 14 de abril. na última, o CmtG não veio (antes de ser CmtG, e candidato à AME, ele vinha), gesto que bem explica a indiferença dos guanabarinos disfarçados em PMERJ. Por mim, considero-me extinto, embora meu espírito esteja sempre infernizando os que nos desdenham ou atacam. E como o espírito não morre…

  9. jorge disse:

    Caro Larangeira,
    Insisto. No atacado, concordo com você e o Adilson. Atacado foi transferir o Batalhão de Neves para Friburgo; atribuir ao 12 BPM o policiamento de Maricá; destinar os novos PMs para a capital e as UPPs; não repor os efetivos das unidades do interior e periferia. Já a ideia de acabar com o canil, com o HCPM e o Colégio da PM, por exemplo, não faz parte da política governamental, e sim da guanabarinite. É a isso que chamo de varejo, ou seja, coisa da própria PM.

  10. Emir Larangeira disse:

    Tem razão quanto à “guabaninite”. Prefiro a carioquice ou a cariocada, lamentando que muitos dos nascido no antigo RJ finjam ser cariocas e não aceitem que o vento daqui só venta daqui pra lá e jamais ventará de lá pra cá.

  11. jorge disse:

    Caro Larangeira,
    E com isso quem sofre é a PM, ou melhor, a população.

Envie o comentário


0/Limite de 1800 caracteres

Add video comment