foto de Jorge Da Silva

Jorge Da Silva é cientista político. Doutor em Ciências Sociais pela UERJ e professor-adjunto / pesquisador-visitante da mesma universidade. Professor conteudista do Curso EAD de Tecnólogo em Segurança Pública (UFF - CEDERJ / CECIERJ). Criado no hoje chamado Complexo do Alemão, no Rio, serviu antes à PM, corporação em que exerceu o cargo de chefe do Estado-Maior Geral. Foi também secretário de Estado de Direitos Humanos/RJ. É vice-presidente da LEAP Brasil ('Law Enforcement Against Prohibition Brazil' (Agentes da Lei Contra a Proibição)).

Ver perfil

Os conteúdos dos textos deste Blog podem ser usados livremente. Pedimos, no caso, que sejam consignados os devidos créditos, com a citação do autor e da fonte.

 



 

 

(Continuação…) MIGRAÇÃO DE BANDIDOS DO RIO PARA NITERÓI

6 Comentários, deixe o seu

.

Esta postagem, como a anterior, foi motivada por importantes matérias publicadas no jornal O Globo, assinadas pelo jornalista Antônio Werneck. Na manchete de ontem, 8 mar, lê-se: 

TRÁFICO DO RIO DIVIDE MORROS DE NITERÓI

Bandidos saídos de favelas cariocas comandam onda de violência 

Com dados, as matérias de Werneck confirmam o que era sabido pelos moradores de Niterói e de outros lugares ditos periféricos.

Resolvi escrever este texto com dois objetivos: primeiro, para atualizar os dados que apresentei em agosto de 2009, repetidos anteontem; segundo, para reiterar o que, a meu juízo, se impõe à comunidade de Niterói (poder público, políticos, sociedade civil, empresariado, intelectuais e cidadãos em geral).

Na postagem anterior, abaixo, mostrei que, na fusão dos Estados da Guanabara e do Rio de Janeiro, em 1975, a população de Niterói era de 376.033 habitantes, e o efetivo do 12º Batalhão, de “mais de mil componentes”, e que, três décadas depois, a população aumentara para 477.919 (dados de 2008) e o efetivo do Batalhão encolhera para 820 componentes (dados de 2009). Mostrei ainda que, além do 12º Batalhão, a PM contava em Niterói com:

– a Ala de Cavalaria, no Fonseca, que executava patrulhamento a cavalo na Cidade. Extinta;
– a Companhia de Choque, autônoma. Extinta;
– a Companhia de Trânsito, autônoma. Extinta;
– a Companhia Escola (no Fonseca) que formava os PMs, os quais complementavam o policiamento na fase de treinamento. Extinta.
– o 11º Batalhão, em Neves, o qual era importante para Niterói, pois era limítrofe e executava a segurança dos presídios. Transferido para Friburgo;
– o Batalhão de Serviços Auxiliares – BSA (policiais burocratas, empregados nos fins de semana e em eventos extraordinários). Extinto.

Tudo sem contar que o 12º Batalhão, não bastasse o seu esvaziamento, recebeu a incumbência adicional de policiar o município de Maricá.

Agora, Werneck mostra que a situação é pior ainda: a população aumentou para 500 mil habitantes, e o efetivo “passou de cerca de 1200 homens, na década de 80, para 700 atualmente”.  Ora, como explicar tamanho esvaziamento se, no período, o efetivo da PM do estado pulou de aproximadamente 25 mil para em torno de 40 mil?

Bem, atualizados os dados, e independentemente do problema da migração de bandidos para Niterói, incumbe à comunidade niteroiense, não buscar paliativos, e sim tentar sensibilizar o governo do Estado no sentido de, no mínimo, recompor a situação de 1975.

 

6 Comentários, deixe o seu   |    Imprimir este post Imprimir este post    |   


6 comenários to “(Continuação…) MIGRAÇÃO DE BANDIDOS DO RIO PARA NITERÓI”

  1. Fatima Silva disse:

    Cel. Jorge,
    Suas observações são sempre muito boas. Fiicaremos aguardando as ações do Governo do Estado em conjunto com o Comando da PM para resolver o problema. Hoje no Bom dia Rio o repórter acompanhou a ação dos policiais em Niterói, vários suspeitos foram presos e ficou engraçado quando o repórter disse, ao final, que não eram criminosos do Rio, eram de Niterói mesmo.
    Um abraço,
    Fatima

  2. Jorge Marcos disse:

    Meu prezado amigo…não dá mais para discutir estes assuntos de segurança sem passar pela administração do país, não se cingindo apenas ao RJ, que nada mais é q um reflexo do descalabro que assola de forma destruidora a consciência cidadã do nosso povo…já não somos entes detentores de direitos e obrigações, somos apenas os q pagam a conta sem ter quem levante a voz contra o”status quo”, contra esta vergonha institucionalizada. Basta vermos a que ponto chegou o órgão máximo da justiça, para entendermos op pq de estarmos numa sociedade anárquica…REALMENTE NÃO DÁ PARA PARA DISCUTIRMOS O ASSUNTO Q É APENAS A PONTA DA LINHA. Um abraço. Marcos

  3. jorge disse:

    Caro Jorge Marcos,
    Realmente, tudo está relacionado. Na área política, mais do que nunca, vivemos a era do “Farinha pouca, meu pirão primeiro”. A área da segurança também reflete esse problema. Segurança só para os poderosos e para os lugares onde eles moram.Recomendo aos meus amigos: em vez de lutar por segurança para as suas cidades e bairros, mudem-se para a Zona Sul, do Rio e de Niterói. Vou me mudar para a Zona Sul e pedir, junto com meus novos vizinhos, mais segurança para ela. Vou dar as costas para o antes.

  4. Adilson da Costa Azevedo disse:

    Caro Jorge,

    A situação da segurança pública em Niterói não está boa e pelas “providências” das autoridades competentes tende a piorar. No entanto, gostaria de voltar as lições da greve dos PMs e Bombeiros as quais não receberam qualquer comentário. Agora, apareceram as primeiras lições das greves para os integrantes das Corporações.

    1ª lição: As lideranças grevistas serão presas e encaminhadas para presídios de segurança máxima.

    2ª lição: Após serem liberados responderão também a processos administrativos e serão excluídos a bem da disciplina.

    3ª lição: Os grevistas que tiverem a sorte de não serem excluídos serão transferidos para locais bem distante de suas residências.

    4ª lição: Os militares estaduais que estão insatisfeitos com os seus salários, deverão prestar concurso público para carreira melhor remunerada.

    5ª lição: Os que conseguem usar a função para locupletar-se de alguma forma, provavelmente, não participaram da greve.

    6ª lição: Os que auferem ganhos somente do Estado e não querem ou não podem seguir a 4ª ou 5ª lições devem conformar-se seguindo o “conselho” do compositor Gonzaguinha ditado em sua música COMPORTAMENTO GERAL: “Você deve aprender a baixar a cabeça e dizer sempre muito obrigado. São palavras que ainda te deixam dizer por ser homem bem disciplinado. Você merece, Você merece”

    Obs. Solicito aos visitantes que não fiquem acanhados e possam colaborar com outras lições.

  5. jorge disse:

    Caro Adilson,
    Não sei por que, esses episódios me fizeram lembrar daquela música do grande Chico Buarque: “Geni e o Zepelim”

  6. Adilson da Costa Azevedo disse:

    Caro Jorge,

    Em sua peça “Ópera do Malandro” o genial Chico Buarque revela que a ingratidão é inerente a natureza humana. Iludidos estão aqueles que se acham imprescindíveis. Após serem usados, todos são descartáveis.Faz sentido a lembrança.

Envie o comentário


0/Limite de 1800 caracteres

Add video comment