- Jorge Da Silva - http://www.jorgedasilva.blog.br -

BRASIL, UM PAÍS SEM RACISMO

.

Deu em O Globo.com (G1) / Extra desta terça-feira (29/03/2011):

“Bolsonaro diz na TV que seus filhos não ‘correm risco’ de namorar negras ou virar gays porque foram ‘muito bem educados’ ”

“RIO – O deputado federal Jair Bolsonaro (PP-RJ) foi parar nos assuntos mais comentados do Twitter após uma polêmica entrevista ao programa CQC, da Band. Ao participar do quadro “Povo quer saber”, em que respondeu a curiosidades do público, o deputado disse que seus filhos não correm o risco de namorar uma mulher negra ou virarem gays, porque “foram muito bem educados”.

– Não vou discutir promiscuidade com [quem] quer que seja. Eu não corro esse risco. Os meus filhos foram muito bem educados e não viveram em ambientes como lamentavelmente é o teu – disse Bolsonaro, em resposta à cantora Preta Gil, que perguntou ao deputado o que ele faria se filho dele se apaixonasse por uma negra.

[…] o parlamentar respondeu por que é contra as cotas raciais, adotadas em várias universidades brasileiras. – Todos nós somos iguais perante a lei. Eu não entraria em um avião pilotado por um cotista, nem aceitaria ser operado por um médico cotista.

Entrei no site do jornal e deixei um comentário. O jornal o publicou. Agora na madrugada, ao resolver escrever esta postagem, tentei recuperar o que tinha escrito, mas, ao que parece, todos os comentários foram retirados do ar. Tinha escrito mais ou menos o seguinte:

O Deputado Bolsonaro é conhecido por suas afirmações “politicamente incorretas” (supostamente…). Acontece que sempre é eleito com expressivas votações. No fundo, ele tem clareza (sem trocadilho) de que é porta-voz de muitos que gostariam de dizer o que diz, mas não têm coragem, pelo menos em público. Esperemos as próximas eleições. Se ele obtiver mais votos ainda, ao menos contribuirá para derrubar de vez a balela da democracia racial brasileira; e acabar com essa história de que no Brasil não há negros nem brancos, inventada recentemente.

Acrescento agora: O que é isso, Bolsonaro?!