- Jorge Da Silva - http://www.jorgedasilva.blog.br -

ALTA CORRUPÇÃO E A TEORIA DAS “MAÇÃS PODRES” (IV)

.

ERENICE. CULPADA OU INOCENTE?

Este é o nono “post” em que chamo a atenção do leitor para a utilização conveniente, por setores poderosos, da teoria falaciosa das “maçãs podres”. Tal teoria toma a corrupção como mera falha de caráter deste ou daquele indivíduo, ou seja, como exceção à regra da integridade moral da maioria, sem fazer caso de que corruptos aplicados, menos azarados, ou mais “espertos”, aí se escondem. Boa receita para desviar o foco do verdadeiro problema: a corrupção estrutural, sistêmica, arraigada na cultura social e política, e praticada à larga em todas as esferas da Administração e em todos os poderes, de forma articulada com o segundo e o terceiro setores.

Os três primeiros “posts” tiveram a ver com o escândalo do Senado em 2009 (atos secretos para criar cargos, nomear parentes, aumentar-lhes os salários etc.). Quando afirmei que o principal problema era que tais práticas estavam arraigadas na tradição, e que a execração pública dos envolvidos (e não a sua punição à luz da Lei) servia muito mais para cristalizar a ideia de que estávamos diante de simples “irregularidades” administrativas, sanáveis (sic), fui acusado de estar defendendo os envolvidos. Não era isso. É que tinha em mente outros escândalos, abordados da mesma forma: o da “Mandioca”, o do “Orçamento” (anões do Congresso), o dos Correios, o do Mensalão e o do Mensalinho, o dos Sanguessugas das ambulâncias etc. Esses e outros acontecimentos, inobstante a comoção geral, praticamente caíram no esquecimento. Da mesma forma que, daqui a uma ou duas semanas, execrada a ex-ministra Erenice, os recentes fatos envolvendo pessoas ligadas a ela também cairão.

Lamentável é que esses episódios, em vez de servirem a reflexões sobre os motivos da sua irritante recorrência, sejam usados pontualmente para alimentar a pugna político-eleitoral e/ou servir a interesses outros. Com isso, honestidade e ética passam a ser atributos maleáveis, minimizados ou maximizados em função das circunstâncias, preferências e alinhamentos partidários. Nada de tocar nas redes de interesses, nas estruturas e esquemas montados exatamente para alimentar os “sistemas”.

PS. Os três “posts” mencionados podem ser acessados pelos links abaixo:

http://www.jorgedasilva.blog.br/?p=79 [1]

http://www.jorgedasilva.blog.br/?p=85 [2]

http://www.jorgedasilva.blog.br/?p=859 [3]