foto de Jorge Da Silva

Jorge Da Silva é cientista político. Doutor em Ciências Sociais pela UERJ e professor-adjunto / pesquisador-visitante da mesma universidade. Professor conteudista do Curso EAD de Tecnólogo em Segurança Pública (UFF - CEDERJ / CECIERJ). Criado no hoje chamado Complexo do Alemão, no Rio, serviu antes à PM, corporação em que exerceu o cargo de chefe do Estado-Maior Geral. Foi também secretário de Estado de Direitos Humanos/RJ. É vice-presidente da LEAP Brasil ('Law Enforcement Against Prohibition Brazil' (Agentes da Lei Contra a Proibição)).

Ver perfil

Os conteúdos dos textos deste Blog podem ser usados livremente. Pedimos, no caso, que sejam consignados os devidos créditos, com a citação do autor e da fonte.

 



 

 

APs e UPPs. ZONA SUL, ZONA NORTE E “PERIFERIA”

2 Comentários, deixe o seu

.

Em “post” anterior (http://www.jorgedasilva.blog.br/?p=786),  chamei a atenção para a contradição de decisão governamental em face do drama vivido pela população da Grande Tijuca e adjacências. Os frequentes assaltos, assassinatos, tiroteioos e o domínio do tráfico tinham chegado ao cúmulo da derrubada, em 17 out 09, de um helicóptero da polícia, com a morte de três policiais. Agora, vê-se que a situação permaneceu a mesma, não se compreendendo por que o assunto foi esquecido por quem NÃO não vive lá. Após a morte do “chefe” do Morro do Salgueiro nesta quarta feira, dia 3, o comércio de boa parte da Tijuca permaneceu fechado por ordem dos traficantes. Estava fechado até ontem à noite, como nos dão conta os jornais.

Deu, por exemplo, no Extra Online de ontem, dia 4.:

Tiros assustam moradores da Tijuca durante velório de chefe do tráfico do Morro do Salgueiro.       

 

RIO – O comércio segue fechado na Tijuca, nesta quinta-feira, apenas na Rua General Roca, no quarteirão entre a Rua dos Araújos e a Rua Bom Pastor, por conta da morte do traficante Fabio Barbosa de Moura, o “Fabinho do Salgueiro”. Ao todo, sete lojas não abriram na área, que fica no pé da comunidade. Apenas duas lojas do quarteirão, uma oficina mecânica e um salão de beleza, abriram as portas. Em sinal de luto, dois panos pretos foram estendidos em lajes do Salgueiro.

A propósito, trancrevo a seguir trecho do  “post” acima mencionado, no qual especifiquei exatamente a Tijuca:

[…] Há pouco mais de um mês, traficantes da área chegaram ao cúmulo da ousadia: abater um helicóptero da polícia, matando dois PMs. E continuam lá, impondo o terror inclusive no “asfalto”. Solução: instalar uma “Unidade Pacificadora” em Ipanema, no Morro Pavão-Pavãozinho-Cantagalo. E mais duas, prometidas para a Ladeira dos Tabajaras e o Morro dos Cabritos, também em Copacabana (e Lagoa). Quanto a estas últimas, o Sr. governador mandou um recado: “Já estou avisando para os traficantes irem embora para não haver mais problemas”. Pergunte-se: Irem embora para onde? Para os morros da Tijuca? Ou os do Alemão? Vão permanecer soltos?”

E agora José, diria Drummond?

Obs. Esclareço que não moro na Tijuca, nem próximo a ela.  

.

2 Comentários, deixe o seu   |    Imprimir este post Imprimir este post    |   


2 comenários to “APs e UPPs. ZONA SUL, ZONA NORTE E “PERIFERIA””

  1. Apesar de não residir na Tijuca, fiquei sabendo – pela mídia e também por relato de amigos que frequentam o bairro – sobre as constantes ameaças do banditismo, expressas em ações violentas a nortearem a rotina dos tijucanos. Não sou conhecedora de políticas de segurança pública, mas acredito que efetivos programas governamentais possam, minimamente, amainar esse estado de coisas. Infelizmente, temos notícia, a todo momento, de furtos, roubos e crimes cada vez mais cruéis. Com certeza, advertir os criminosos, expulsando-os dos morros localizados no bairros mais nobres do Rio não constitui medida para “limpar” a cidade, redundando contrariamente em efeitos regionais glocalizados. E a Tijuca torna-se, mais uma vez, o alvo de uma criminalidade aterradora. Somente uma estratégia bem eleborada de Segurança Pública é capaz de melhorar a situação de pavor que toma conta dos cariocas. Para tal, creio, textos como estes – advindos do conhecimento de um dos maiores especialistas mundiais do âmbito, o Cel Jorge da Silva – podem ajudar a despertar uma conscientização coletiva, bem como despertar as autoridades governamentais para a iminente necessidade de efetivas ações.

  2. Cara Sra. Raquel,

    Em vários “posts” neste Blog (e há anos em outros textos) tenho manifestado preocupação com a necessidade de se promover a integração social do Rio de Janeiro, de vez que boa parte da violência que nos assola, dentre outros problemas urbanos, é conseqüência de políticas elitistas adotadas ao longo do tempo. Hoje, os recursos são captados em todo o Estado e concentrados, de forma desproporcional, nas áreas nobres da capital. Isto é um absurdo. Lamentavelmente, em particular após a escolha do Rio como sede dos Jogos Olímpicos, essa tendência segregacionista tem-se acentuado. Não bastasse a concentração de recursos e serviços na Zona Sul (nada contra, a não ser o exagero…), parece que as autoridades, em vez de buscar soluções, resolveram empurrar os problemas (traficantes, pedintes, “menores”, população de rua etc.) para a “periferia”.

Envie o comentário


0/Limite de 1800 caracteres

Add video comment