- Jorge Da Silva - http://www.jorgedasilva.blog.br -

ENCOSTAS CARIOCAS E “ENCOSTAS” DE ANGRA-ILHA GRANDE

.

 

Há trinta ou quarenta anos, uma das motivações para a remoção das favelas cariocas ainda era a sua feiúra, em contraste com a beleza da cidade. Daí as inúmeras remoções, procedidas desde o início da República. De uns tempos para cá, os reais motivos, entre eles a especulação imobiliária, cederam lugar a outra justificativa: os riscos que correriam os moradores de “áreas de risco”, razão pela qual seria necessário retirá-los dali e impedir que outros para ali fossem, o que se conseguiria com decretos, muros e cercas, ou seja, com a “lei e a ordem”. Enquanto isso, na Costa Verde, nas encostas e morros de Angra e Ilha Grande, na paradisíaca baía do mesmo nome, não haveria necessidade disso. Talvez o inverso, pois ali não haveria riscos…   

 

As chuvaradas do último fim de ano castigaram a capital, as favelas cariocas, a Baixada Fluminense e Angra-Ilha Grande. Mas, curiosamente, as tradicionais “áreas de risco” cariocas nada sofreram, pelo menos aparentemente. Mortes, mais de 70, ocorreram, em maioria, na Baixada e em Angra. Por que “lei e ordem” só num lugar? Por que “dez pesos (sic) e duas medidas?” No fundo, faz sentido… Alguém me convença do contrário.