foto de Jorge Da Silva

Jorge Da Silva √© cientista pol√≠tico. Doutor em Ci√™ncias Sociais pela UERJ e professor-adjunto / pesquisador-visitante da mesma universidade. Professor conteudista do Curso EAD de Tecn√≥logo em Seguran√ßa P√ļblica (UFF - CEDERJ / CECIERJ). Criado no hoje chamado Complexo do Alem√£o, no Rio, serviu antes √† PM, corpora√ß√£o em que exerceu o cargo de chefe do Estado-Maior Geral. Foi tamb√©m secret√°rio de Estado de Direitos Humanos/RJ. √Č vice-presidente da LEAP Brasil ('Law Enforcement Against Prohibition Brazil' (Agentes da Lei Contra a Proibi√ß√£o)).

Ver perfil

Os conteúdos dos textos deste Blog podem ser usados livremente. Pedimos, no caso, que sejam consignados os devidos créditos, com a citação do autor e da fonte.

 



 

 

Arquivados em junho, 2014

ARRUDA E O JULGAMENTO DO POVO

30 de junho, 2014    

.

‚ÄúVou atr√°s do julgamento mais importante, o julgamento do povo‚ÄĚ. Com essa frase, em plena Copa, Jos√© Roberto Arruda √© novamente candidato, como se l√™ no Globo (30/06/14): ‚ÄúCondenado, Arruda lan√ßa candidatura ao governo do DF‚ÄĚ.

Em 2009, Arruda foi flagrado em v√≠deo recebendo ma√ßos de dinheiro de um auxiliar que o alcaguetou por motivos pessoais, no que ficou conhecido como ‚Äúmensal√£o do DEM‚ÄĚ. Desfiliado do partido, foi cassado e chegou a ser preso. A seu lado na conven√ß√£o que o lan√ßou, a deputada Jaqueline Roriz, que tamb√©m foi flagrada recebendo ma√ßos de dinheiro; o ex-senador Luiz Estev√£o, que teve o mandato cassado e que tamb√©m esteve preso por envolvimento no esc√Ęndalo do TRT de SP, junto com o juiz Nicolau dos Santos Neto, o Lalau; a representante do ex-governador Roriz na referida conven√ß√£o, o qual teve que renunciar ao mandato de senador por n√£o ter conseguido explicar o recebimento de um cheque de R$ 2,3 milh√Ķes.

Bem, considerando que Arruda est√° √† frente nas pesquisas, n√£o h√° como deixar de lhe dar raz√£o. De duas, duas: ou o povo entende que trocar seis por meia d√ļzia d√° no mesmo, o que indicaria que sabe votar; ou o Brasil vai se firmando realmente como uma cleptocracia, o que d√° no mesmo.

Bem ou mal, com superfaturamentos e aditivos nas obras, a Copa ainda é um lenitivo.

 

Imprimir este post Imprimir este post    |   

A INVAS√ÉO DO MARACAN√É E A ‚ÄúGENI‚ÄĚ

20 de junho, 2014    

.

Na √ļltima quarta feira, 18/06, os comentaristas de r√°dio e TV, e o notici√°rio online dos jornais, sabedores de que o controle do acesso ao interior do est√°dio e a seguran√ßa interna incumbiam a empresas privadas (e n√£o √† PM, encarregada apenas da seguran√ßa externa, no entorno), cobravam da Fifa, da CBF e do COL explica√ß√Ķes sobre a invas√£o de mais de cem torcedores chilenos antes do jogo Chile x Espanha (problema que j√° ocorrera no jogo Argentina x B√≥snia). E eu dizia para mim mesmo: ‚ÄúV√£o arranjar um jeito de culpar a Geni, digo, a PM‚ÄĚ. Os invasores empurraram o port√£o que d√° acesso ao setor da imprensa, invadiram o Centro de M√≠dia, derrubando divis√≥rias e danificando equipamentos. Alguns jornalistas, na busca de respons√°veis pelas falhas, quiseram saber quais as empresas contratadas, a experi√™ncia anterior das mesmas, o n√ļmero, qualifica√ß√£o e treinamento dos seguran√ßas por elas empregados, os valores dos contratos etc. Nada. E eu: ‚ÄúV√£o arranjar um jeito de culpar a Geni‚ÄĚ.

L√™-se no ‚ÄėUOL Esporte‚Äô de hoje, 20/06, no blog de Rodrigo Mattos (Cf. link abaixo): ‚ÄúFalha, seguran√ßa do Maracan√£ vira caixa-preta da Copa-2014‚ÄĚ, onde o jornalista afirma: ‚ÄúO COL (Comit√™ Organizador Local) transformou em uma verdadeira caixa-preta a seguran√ßa privada no Maracan√£ na Copa-2014‚ÄĚ. E eu: ‚ÄúV√£o arranjar um jeito de culpar a Geni‚ÄĚ. Eis que, “bingooo!”. Leio na coluna do Ancelmo, tamb√©m hoje, no Globo: ‚ÄúEmbora o erro maior tenha sido da Fifa, respons√°vel pela seguran√ßa dentro das arenas, a Pol√≠cia Militar falhou nesta invas√£o dos chilenos ao centro de imprensa do Maracan√£. Cabe aos PMs, em volta do est√°dio, barrarem [sic] o acesso de pessoas sem ingressos. E foram centenas‚ÄĚ.

Pergunto: ser√° que a coluna se esqueceu mesmo das empresas e dos seguran√ßas privados? Bem, a Geni tamb√©m serve para desviar o foco. Afinal, plagiando o poeta, ‚ÄėEla √© feita pra apanhar‚Äô/ ‚ÄėEla √© boa de cuspir‚Äô.¬†Fico imaginando, num jogo com expectativa de p√ļblico de mais de 70 mil torcedores, os PMs abordando as pessoas ‚Äúem volta do est√°dio‚ÄĚ (onde a circula√ß√£o √© livre) para saber, primeiro, se o abordado vai ao jogo ou √© um transeunte; segundo, em caso de responder que pretende ir ao jogo, se porta o ingresso. Coitados dos moradores das redondezas!… E coitada da Geni. No caso da invas√£o dos chilenos, chamada √†s pressas, p√īs ordem na festa, junto com sua prima, a PC. A√≠, tudo resolvido, volta a receber bosta na cara, at√© que dela precisem de novo, como se anuncia, j√° que falam em refor√ßo da seguran√ßa. Nem vai ser preciso pagar os milh√Ķes pagos √†s empresas. A Geni tem que ir de gra√ßa, com os seus agregados tendo que ‘pagar’ para ir, obrigados que s√£o a se multiplicar, em preju√≠zo de folgas, f√©rias e descanso, numa esp√©cie de “milagre da multiplica√ß√£o dos PMs”. Depois…

Obs. Link da postagem do UOL: http://rodrigomattos.blogosfera.uol.com.br/2014/06/20/falha-seguranca-do-maracana-vira-caixa-preta-da-copa-2014/

 

Imprimir este post Imprimir este post    |   

DIA DA CRIAN√áA AFRICANA E O PA√ćS DA COPA DE 2010

17 de junho, 2014    

.

Ontem, 16 de junho (Dia da Crian√ßa Africana), postagem no Facebook de Fernando Peregrino lembrou que, nesse dia, em 1976, centenas de crian√ßas foram massacradas porque lutavam por mais educa√ß√£o e contra a proibi√ß√£o de falar a pr√≥pria l√≠ngua. ‚ÄúEncaminhei‚ÄĚ a postagem de Peregrino aos amigos do Facebook. O leitor Ronaldo Soares de Souza sugeriu que mais informa√ß√Ķes a respeito fossem divulgadas para que mais pessoas tomassem conhecimento. Ocorreu-me que, bem antes da Copa de 2010, publiquei artigo no qual contextualizava o epis√≥dio. A coincid√™ncia do t√≠tulo do mencionado artigo (‚ÄúO Pa√≠s da Copa de 2010‚ÄĚ) motivou-me a encaminhar o seu link a Ronaldo. Fa√ßo o mesmo agora, no momento em que o palco da competi√ß√£o √© ‚ÄúO Pa√≠s da Copa de 2014‚ÄĚ. Se interessar, √© s√≥ clicar.¬†http://www.jorgedasilva.com.br/artigo/33/o-pais-da-copa-de-2010/

 

Imprimir este post Imprimir este post    |   

COPA E OLIMP√ćADAS. – DA EUFORIA AO DESALENTO

11 de junho, 2014    

. 

(Nota: Em tempo de protestos, republico postagem de 16/07/2011, com a advert√™ncia de que o t√≠tulo da mesma, em forma de pergunta, foi dado em outro contexto, no auge da euforia geral. N√£o tinha o objetivo, como n√£o tem, de fazer tro√ßa, e sim de chamar a aten√ß√£o para a dist√Ęncia entre a fantasia e a realidade. O desalento era previs√≠vel). ¬†

———————

‚ÄúEIKE BATISTA VAI MORAR EM MADUREIRA!?‚ÄĚ

O jornal ingl√™s¬†The Guardian¬†(26 dez 2010) publicou entrevista do empres√°rio Eike Batista, em que ele declara: ‚ÄúEu olho para o futuro do Rio, vejo uma mistura de Calif√≥rnia, Nova Iorque e Houston‚ÄĚ. Revelou ter projeto de construir ‚Äúuma super-moderna cidade digital‚ÄĚ, distante 240 quil√īmetros da capital, e falou de investimentos na limpeza da Lagoa Rodrigo de Freitas; no estabelecimento de um cruzeiro de luxo para turistas; na remodela√ß√£o da Marina da Gl√≥ria e na restaura√ß√£o do Hotel do mesmo nome. Tudo isso numa cidade sem viol√™ncia, motivo pelo qual teria doado mais de R$ 100 milh√Ķes para o programa das Unidades de Pol√≠cia Pacificadora (UPPs).

Embora se reconhe√ßa o seu desprendimento e, mais que isso, a sua sensibilidade comunit√°ria ‚Äď do que √© exemplo, dentre outras a√ß√Ķes, a grande ajuda √†s v√≠timas das enchentes da Regi√£o Serrana ‚Äď, cumpre alert√°-lo quanto a um v√≠cio recorrente entre as camadas mais altas da sociedade do Rio de Janeiro, do qual talvez fosse conveniente livrar-se: o de se referir √† Zona Sul como se esta fosse toda a cidade. Em sua entrevista deixou transparecer isso. Deu realce a dois p√≥los: algum lugar a 240 quil√īmetros, e a Zona Sul.

Em outubro de 2009, logo ap√≥s a escolha do Rio para sediar as Olimp√≠adas, publiquei ‚Äúpost‚ÄĚ (Olimp√≠adas no Rio: Oportunidade de Integra√ß√£o Social I), no qual chamava a aten√ß√£o para uma preocupa√ß√£o ent√£o manifestada por muitas pessoas: a concentra√ß√£o excessiva de investimentos na Zona Sul e Barra da Tijuca, em detrimento do restante da cidade e do estado. (Conferir em http://www.jorgedasilva.blog.br/?p=567). De l√° para c√°, as coisas mudaram um pouco. Mas podem mudar mais. Naquele ‚Äúpost‚ÄĚ, em dado trecho escrevi:

‚Äú[…] o grande desafio √© integrar os dois lados da ‚Äėcidade partida‚Äô: ‚Äėfavela e asfalto‚Äô, ‚Äėperiferia‚Äô e ‚Äėpara-c√°-do-t√ļnel‚Äô. Fernando Gabeira, candidato a prefeito do¬†Munic√≠pio¬†em 2008, prometeu na Zona Oeste:¬†‚ÄúO prefeito n√£o vai morar apenas no Rio. Ele vai ter um gabinete de trabalho aqui‚ÄĚ.¬†[…] Para n√£o incorrerem no mesmo erro, n√£o seria o caso de se sugerir ao governador S√©rgio Cabral que se mude do Leblon para a Penha? E ao prefeito Eduardo Paes, da Barra da Tijuca (ou da resid√™ncia oficial na G√°vea Pequena) para Madureira? E a Carlos Arthur Nuzman, presidente do Comit√™ Ol√≠mpico Brasileiro, do Leblon para Marechal Hermes? Pelo menos at√© 2015.‚ÄĚ

Agora acrescento: que tal Eike Batista também se mudar por alguns meses da Zona Sul para Madureira? Conheceria toda a cidade. Aí, sim, não só a integração estaria garantida, como o Rio (cidade e estado) poderia vir a ser realmente uma mistura de Califórnia (aliás, um estado), Nova Iorque (estado e cidade) e Houston? E sem violência. Nem precisaria doar mais dinheiro para as UPPs da periferia.

julho 16th, 2011

 

Imprimir este post Imprimir este post    |   

COPA. – A OUTRA COISA

7 de junho, 2014    

.

Gente!… Uma coisa √© uma coisa; outra coisa √© outra coisa. Uma coisa s√£o os est√°dios bilion√°rios, superfaturamentos, aditivos e falcatruas de poderosos das camadas altas, em preju√≠zo da educa√ß√£o e da sa√ļde do povo; outra coisa √© a sele√ß√£o brasileira de futebol, constitu√≠da de jovens atletas, a maioria sa√≠da das camadas populares, e que n√£o s√£o culpados de tal invers√£o de valores nem das falcatruas. Da√≠ por que n√£o me associo aos que insistem em transformar os jogadores em bodes expiat√≥rios de mazelas alheias. Por que hostiliz√°-los e amea√ß√°-los, como tem ocorrido? Entendo que, amantes ou n√£o do futebol, devemos, sem esquecer a ‚Äúuma coisa‚ÄĚ, torcer pela ‚Äúoutra coisa‚ÄĚ, em homenagem ao talento dos astros do esporte mais popular do Brasil. Nada contra hostilizar os respons√°veis pela ‚Äúuma coisa‚ÄĚ.

 

Imprimir este post Imprimir este post    |